Doe para manter a versão nacional       Assine a edição local de Uberlândia

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

#zikazero | CLIQUE AQUI, SAIBA MAIS E PARTICIPE | #zikazero
A sociedade mobilizada para vencer a luta contra o mosquito

Instituto Eu Quero Viver
sábado, 5 dezembro, 2009 15h16

Consciência Negra e brasilidade

   
Arte sobre foto / Pedro Reis - FarolCom

Hoje, há um sentido muito forte de pertencimento étnico ao grupo formando por pretos, pardos e negros.

Isso é resultado direto de mais de 30 anos de ação política do Movimento Negro, das políticas afirmativas, pelas quais membros do grupo étnico negro são beneficiados com ofertas de serviços, programas e equipamentos públicos voltados para suprimir as desigualdades sociais e raciais nos mais diversos níveis e de uma maior inserção do elemento negro nos meios de comunicação, principalmente a partir das deliberações da Conferência de Durban – que tratou do tema do combate ao racismo, realizada em 2001, e das atividades de comemoração dos 500 anos da descoberta do Brasil, no de 2000.

Esse conjunto sistêmico amalgamou e foi o responsável pela boa situação em que se encontra o principal grupo humano que formou e deu identidade ao Brasil. Nesse viés é possível falar, inclusive, do surgimento do negro-brasileiro. Ou seja, do agrupamento humano que orgulhosamente trouxe suas raízes da África, se sanduichou da cultura europeia e se misturou a outros tantos povos que aqui vieram fazer residência, como os turcos, árabes, japoneses, formando assim uma nação nova, una e absolutamente inédita, a nação brasileira.

A quantidade de detalhes tem ainda um capítulo especial feito e construído pelos povos indígenas, que também reivindicam participação nesse estrato social. As dores do passado e o ranço não deram lugar ao um conflito racial da parte negro-índigena, mas ao contrário, esses sempre buscaram a integração e o convívio pacífico com o estrangeiro. Quem empregou a discórdia foram os alienígenas motivados por interesse de classe e a serviço da exploração comercial daquilo que a nação brasileira tinha de mais vantajoso.

A tortura, os maus-tratos e o açoite nas senzalas eram empregados para forjar um domínio estamental e criar uma “raça” branca privilegiada e parasitaria. Portanto, o racismo teve e tem uma função estratégica para continuar o domínio de um grupo humano sobre o outro e dar manutenção aos privilégios de classe, consolidando assim a hegemonia cultural, econômica e política da elite sobre os demais elementos étnicos; cuja tonalidade e intensidade da exploração comercial eram feitos por meio de uma subliminar e invisível discriminação racial apoiada pela ideologia da tranqüilidade no convívio e acesso aos bens econômicos produzidos pelo suor de índios e negros.

Essa exploração só agora começa a ser eliminada. Dessa forma, o despertar da consciência negra traz consigo a elevação da autoestima, o inicio do fim de toda forma de preconceito e um grande sentimento de brasilidade, como local em que se realizam concretamente a vida, o desenvolvimento das relações sociais e onde acontecem a cidadania de fato. Brasilidade e negritude, no nosso caso, são elementos intrinsecamente formadores da Pátria, elo maior que nos une.

E essa pátria tem um sabor reconhecidíssimo ainda melhor, pois tem conteúdo da mais antiga tradição africana, toda a bravura indígena e a contribuição dos elementos alienígenas, pela qual a miscigenação – à força ( com os estrupos, violência sexual e depuração étnica ) ou como agente civilizacional -, fez nascer esse povo brasileiro; com suas contradições, mazelas e esperanças em fazer do Estado brasileiro um ente promotor da paz e desenvolvimento em que as atuais políticas afirmativas terão papel fundamental para tornar pratica o sonho de justiça social, não a um grupo, somente como acontecia no passado escravista, mas a todos e todas sem distinção.

Alexandre Braga | Coordenador de Comunicação da UNEGRO e membro do Fórum Mineiro de Entidades Negras - bragafilosofia@yahoo.com.br

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Considere contribuir com o nosso trabalho!!! Obrigado!!!

Últimas no FarolCom

Veja também

Mapas do Triângulo

Meteorologia

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest