CAPA | CIDADES | EVENTOS | ARTIGOS | AÇÕES AFIRMATIVAS | LIVROS | QUALIDADE DE VIDA | AGRO | ESPECIAIS | VIAJAR
VIVER BEM | ENDEREÇOS | VÍDEOS | FOTOS | AUTOS | SAÚDE | CULTURA | EDUCAÇÃO | CIÊNCIA | MEIO AMBIENTE | ENERGIA | LIXO

METEOROLOGIA| QUEIMADAS | SINE | PROCON UBERLÂNDIA | DEFESA CIVIL | CEMIG | DMAE | CEP | CTBC | DETRAN'S | CINEMAS

FALE CONOSCO | EXPEDIENTE | ANUNCIE


Artigos

O amor tem que estar presente nos nossos dias

domingo, 29 março, 2009 19:11

Naturalmente somos levados a amar e a construir expressões de sentimentos bons e honestos. O ser humano que prioriza valores e recebe ensinamentos que o levem a conhecer os bons efeitos dessa prática, cria em torno de si a formação de atos mais polidos e condizentes com uma vida saudável.

A família é o fator preponderante e responsável por esse ensinamento que vemos estar muito esquecido, e talvez, adormecido por medicamentos que causam a apatia da mordaça inviabilizadora ao respeito aos antepassados.

Quando o amor ultrapassa a verdade de nossa razão, passamos a empregar aos ensinados a fragilização que não deve ser demonstrada aos que ainda desconhecem a formação desse sentimento. Amar ... não é apenas permitir coisas ou vontades a quem amamos, mas trazermos ensinamentos que possam dar a eles uma vida próxima a que irão enfrentar em um futuro próximo.

Estamos descompassados e perdidos no ato em permitir, estamos mergulhando as novas gerações a um consumismo de "SIM" que, certamente, afastaram deles o sentimento aproximado de um amor maduro e real. O amor começa no ato de nossa fecundação, inicialmente no sim que nossos pais se deram e permitiram o ato de amor entre duas pessoas. Mas temos visto que pessoas estão se dando por um acaso, por um desejo sexualizado pelo modismo e pela aplicação de falsos valores.

Geramos filhos do acaso, filhos do impulso, filhos de um ficar irresponsável! Devemos nos preocupar com nossos filhos que devem reconhecer o amor como sendo uma virtude, uma benção e um direito a construir um futuro familiar, e não a banalização de reproduzir pessoas sem o principio de uma família aproximada. O amor esta em nós ... assim como o ar que respiramos ou no simples fato de vivermos.

Ainda há tempo para mudarmos o errado, ainda temos forças para trazer a todos eles a exaltação que os levem a aceitar a vida como algo valorizado em cada atitude que eles venham a tomar, mas para isso, temos de acreditar no amor sem traição, no amor sem brigas ou agressões. Ainda estamos chocados pela liberdade sexual que nos é imposta pela mídia ou reportagens que exaltam o sexo pelo sexo.

O verdadeiro sabor do amor esta em algo maior, em algo além do simples ato de se desejar sexo. O amor começa na simplicidade de um olhar, no desejo de um abraço ou no sabor de um beijo. O sexo é um complemento, uma clarividência da afirmação do desejo em prolongar a beleza desse encontro. O amor nos liga a Deus e, Deus nos quer amando na verdadeira relação de um respeito que venha do homem e da mulher.

O amor não é modismo que um dia vem à tona e no outro é esquecido! Ele permanece e permanecerá para sempre no convívio entre nos humanos. Existem na história muitos fatos que reafirmam o valor do amor e do quanto estamos ligados a esse sentimento; Basta tão somente que olhemos a expressão: Jesus crucificado.

O maior, o mais importante e verdadeiro gesto de amor entre os homens. Apesar dos pesares ainda não aprendemos a expressar, ensinar e praticar esse sentimento na dimensão exata que Jesus tanto pregou, ainda desconhecemos a virtude dessa prática, ainda difundimos o amor como sendo algo impossível de se encontrar. Como formarmos uma família saudável se não conseguimos respeitar o amor que deveria unir pessoas? Como ensinar nossos filhos o que é amor se não acreditamos em sua existência? Ainda há tempo de buscarmos uma religiosidade que sustente a nós e aos que surjam do ato de nosso amor.

Deixemos de lado o machismo, deixemos de lado o feminismo que transforma o amor em rivalidade entre sexos. Temos muito que aprender e devemos respeitar a natureza que nos mostra um equilíbrio que teimamos em não ver! O amor está na simplicidade, no compromisso sem tempo, no caminhar sem correr e no esperar sem cobrar. Se em sua vida existir um sufocar que distância, um interessar que apenas compre ou um suportar que impeça o respirar: reinicie.

O amor e a chave do perdão, a liberdade do existir e o carinho do coração!

Éder Roberto Dias, autor do livro “O amor sempre vence...” publicado pela Editora Gente.

AMOR SEMPRE VENCE, O
Autor: DIAS, EDER ROBERTO
Editora: GENTE
ISBN: 978-85-7312-6242
Livro em português
Brochura
16 x 23 cm
1ª Edição - 2009
208 págs.



Brasil no Google Maps