CaldoQuantico   Holopraxis   CQL   CreSentes   DNAtos   PARCEIROS   EXPEDIENTE   ANUNCIE   PRIVACIDADE E USOS  
Capa Geral Caderno 1 Caderno 2 Caderno 3 Caderno 4 Blogs Links Úteis Meteorologia
Instituto Eu Quero Viver
sábado, 24 janeiro, 2009 18h44

Como Obama pode utilizar o exército de "amigos online" a seu favor durante o mandato?

Ao longo da história dos Estados Unidos os meios de comunicação têm sido um forte aliado dos políticos que chegaram ao posto de homem mais poderoso do mundo. Franklin Roosevelt utilizou-se do rádio

   

Moriael Paiva

Nos anos 1930, foi o primeiro presidente a se dirigir regularmente aos cidadãos utilizando-se de um veículo de massa.

Outros governantes que o precederam também tiveram acesso à radiodifusão, mas o democrata percebeu no microfone uma ferramenta de grande influência sobre uma população carente de um contato mais direto com a maior liderança do País.

Valendo-se do domínio de uma linguagem própria do rádio, em seus 12 anos na Casa Branca, Roosevelt superou os momentos de crise e manteve a confiança dos norte-americanos.

Em 1960, John F. Kennedy apostou todas as fichas na televisão para vencer seu então adversário Richard Nixon, nas eleições presidenciais daquele ano. Antes disso, durante os debates transmitidos pelas rádios, o republicano Nixon mantinha vantagem. Mas quando o jovem Kennedy mostrou domínio da nova ferramenta de mídia, o jogo virou. Assim como Roosvelt, ele também foi inovador ao se valer de um veículo de comunicação na construção de sua imagem.

Quase 50 anos depois, Barack Obama surge como o novo líder que vai revolucionar a forma de se comunicar. Na era da Internet, o democrata seguiu seus antecessores de partido e já entrou para a história como o primeiro político a utilizar os recursos da web 2.0 em sua plenitude para conquistar o apoio do eleitorado americano e a admiração da população de outros países.

Durante toda sua campanha, o time do então senador por Illinois investiu em várias frentes. Blogs, twitter, Orkut, Linkedin, You Tube foram alguns dos canais explorados por Obama para vencer Hillary Clinton na convenção do Partido Democrata e, na seqüência, ultrapassar John McCain nas eleições realizadas em 4 de novembro.

Como resultado, Obama conquistou um verdadeiro exército de seguidores. Ele somou mais de 13 milhões de endereços de e-mails, dois milhões de participantes do site MyBarackObama.com e cinco milhões de apoiadores em mais de 15 outras redes sociais, incluindo o Facebook, onde 3,2 milhões de usuários manifestaram sua preferência. No Twitter, Obama chegou a ter mais de 160 mil seguidores, sendo o usuário mais acompanhado através do microblogging, sucesso do momento, que tem por base o envio de atualizações a partir de respostas constantes à simples pergunta: "o que você está fazendo?".

O presidente eleito ainda angariou através da Internet mais de meio bilhão de dólares, valor proveniente das 6,5 milhões de contribuições online feitas por um total de 3 milhões de pessoas - boa parte delas investiu dinheiro mais de uma vez para apoiar a campanha, uma média de US$ 80,00 por doação - ao longo dos 21 meses que precederam a vitória de Obama.

O fenômeno na Internet não parou por aí: no total, um bilhão de emails com sete mil diferentes tipos de mensagens foram enviados durante a campanha. Já o sistema de mensagens de texto pelo celular criado pelo comitê somou um milhão de assinantes, eleitores que recebiam de cinco a vinte mensagens por mês. De fato, esta foi a primeira grande campanha política que elevou a web ao topo de sua estratégia de marketing.

Desafios

Especialmente nos EUA, o poder da grande mídia sempre foi decisivo para o sucesso de seus governantes. Hollywood inclusive já retratou isso em algumas de suas produções, onde fica claro que a informação pode chegar um "pouquinho" diferente do real, conforme a interpretação de um ou outro.

Com tantos ‘amigos online’ o agora presidente Barack Obama tem a missão de provar que é possível uma conversa direta, já que governa sob os olhares em tempo real de milhões de internautas. Direto de seu gabinete ou em qualquer lugar onde esteja, o democrata poderá se fazer entender à população por meio de todas as redes sociais disponíveis atualmente.

Através desse contato, Obama também poderá medir a avaliação de seu governo, saber o que a população pensa sobre determinado assunto e fazer com que o povo norte-americano pressione o congresso a votar com mais rapidez os projetos propostos por seu governo. Da mesma forma e com igual poder de alcance, a população poderá responder ao governo, mostrar insatisfação e retrucar seus argumentos.

Obama tem nas mãos a oportunidade de estabelecer um governo eletrônico pleno, onde a colaboração é fundamental. Em um momento tão difícil para o país, faz diferença este contato tão próximo e direto com o exército de apoiadores que criou - principalmente para o desafio de corresponder à expectativa gerada em torno de sua eleição histórica. Afinal, em meio à tantas turbulências, somente com ações acertadas e afinadas ao desejo popular será possível trazer de volta a esperança do povo americano.

Moriael Paiva é diretor de criação da Talk Interactive (www.talkinteractive.com.br), empresa especializada em comunicação interativa. Foi também o coordenador da campanha online de Gilberto Kassab à reeleição à prefeitura de São Paulo
ARTIGOS | OUTROS ARTIGOS DESTE AUTOR

Material jornalístico passível de direitos autorais.
Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes.
Antes de reproduzir por qualquer meio, consulte sobre autorização
Leia também nossos Termos de Uso e Serviço
Preços, prazos e links podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado

Brasil

FarolCom no Pinterest
Brasil no Google Maps
Meteorologia