Doe para manter a versão nacional       Assine a edição local de Uberlândia

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA
Instituto Eu Quero Viver
terça-feira, 27 março, 2007 19:25

O tamanho do lobby

 
 
 
ilustração
 
   
  Não dá para viver só no remendo  
     

A crise no setor aéreo brasileiro, o plantio de cana e o destilo de álcool no centro-oeste, a soja, o milho e o preço do pão francês. O jogo rançoso de poder e interesse precisa mudar.

Na máxima bíblica, a mão esquerda não deve saber o que faz a direita. Remete ao conceito de desinteresse e espírito devotado a fazer o bem sem que haja qualquer condicionante nisso. O puro espírito da inclusão social.

Na lida diária do mágico, tanto melhor o efeito, quanto mais os detalhes puderem ser camuflados com alguma coisa que chame mais a atenção dos olhos, na direção contrária onde ocorre o evento.

O avião da Gol caiu porque o setor aéreo está em crise ou a crise aérea se instalou porque o avião caiu?

A quem interessa tanto o "caos" instalado na aviação? Será a vontade de privatizar a Infraero ou será necessidade de preencher cótas de publicidade das companhias nos veículos de comunicação?

Lembro que quando a Telefónica de Espanha assumiu a Telesp em São Paulo, da noite para o dia pipocaram defeitos no sistema telefônico da maior cidade do país, um verdadeiro apagão telefônico e não se falava noutra coisa. Parecia que São Paulo, nunca mais iria se comunicar com o resto do país e do mundo. Uma tragédia.

Foi só a Telefónica entrar anunciando que o apagão telefônico acabou. Coincidência?
Que culpa teria a empresa espanhola nas primeiras 24 horas de posse do serviço telefônico do maior estado da federação?

Esse joguinho, sabor puro ranço, precisa acabar. No Brasil, temos o péssimo hábito de guardar o defunto na sala, só para ver se morreu mesmo, ou se dá para iludir as visitas, fazendo-as crêr que o tal defunto "tá vivinho da silva". Bom, para ser mais justo, a humanidade ainda se comporta assim.

Penso que o único jeito de acabar com isso é instruindo o povo no sentido da visão crítica, porque no sentido do ilusionismo, somos "instruídos" todos os dias.

Será necessário admitir de viva voz que o país vai mal, não porque não tenha condições de ir bem, mas porque estamos anestesiados demais, carentes de senso crítico, aceitando tudo com uma inexorabilidade injustificada.

Daí podemos entender o porque do extremismo nas ações de certos grupos sociais, tão nefasto quanto a síndrome de Maria Antonieta que acomete uma parcela ainda muito grande das classes dominantes. É que toda ação gera uma reação. Não é exatamente simples, passar fome na porta do restaurante, não é exatamente fácil assistir o noticiário das enchentes entremeado de anúncios da loja tal e o moderníssimo refrigerador, muito parecido com aquele que a água levou.

Na parábola dos porcos assados, um incêndio acidental, tostou os porcos e ao experimentarem a carne cozida, os cidadãos daquela terra, que sempre os haviam comido crús, ficaram extasiados. Daí empenharam-se em criar incêndios cada vez mais sofisticados, para que os porcos pudessem ser assados e comidos.

Até que um dia, um tal Zé Bom-Senso, caiu na besteira de sugerir a construção de fornos para o tal ato, e com isso poupar muitos recursos, mão de obra, enfim otimizar a insana logística. E recebeu uma severa carraspança do Chefão, sobre quanto da máquina instalada ( leia-se a burocracia toda envolvida) teria que ser desmontada para dar lugar à estapafúrdia idéia de assar os porcos num forno.

Jogamos coisas demais no lixo, porque o caminhão passa e recolhe. Desperdiçamos água porque "podemos pagar". Estamos queimando as florestas para assar alguns porcos.

Por que não criar sistemas que reduzam drasticamente o consumo dos hidro-carbonetos, oferecendo bom transporte coletivo? Por que não modernizamos a gestão dos alimentos impedindo o desperdício, aproveitando todo o potencial na própria fonte? Por que não estimulamos as pesquisas por matrizes energéticas que não dependam de extensas áreas de terra para serem produzidas? Sim, sim, a ciência está o tempo todo pensando e agindo. Estou falando é de mobilização social. O momento de parar o incêndio na floresta é agora. Antes que seja tarde.

O bem-estar na Terra não pode ser refém do modelo econômico capitalista. E nenhuma criança precisa mais morrer de forma estúpida para que a sociedade como um todo, seja possuída de uma sadia indignação e pare de aceitar as coisas como estão. Ou será que é tão difícil classificar a pena pelo tipo de crime, ao invés de pela faixa etária?

É hediondo? A pena é severíssima, não importa a idade do criminoso e se um maior de idade arrastou um menor consigo, penas ainda mais duras. Não só tempo, mas muito esforço físico e trabalho, trabalho, trabalho.

Se o brasileiro souber o tanto de terra devoluta e/ou improdutiva que existe nesse país, iria fazer greve de fome na frente dos prédios públicos até que não houvesse mais clima para levar usinas de álcool para o pantanal ou plantações de soja, milho, pinhão manso, mamona e por aí vai, sobre o que restou do cerrado e das várzeas. Nem sonhariam em tocar na nossa exuberante Amazônia.

E como no Brasil ninguém consegue, por falta de curso técnico especializado, fabricar pão francês de 50 gramas (isso só é possível na Noruega ou na Suécia) passamos a fabricá-lo de qualquer jeito. Tenho pesado os pães todos os dias por aqui e já flagrei pãozinho de 82 gramas, lógico que se o hábito ou a necessidade é de 10 pães, ninguém consegue levar meio-quilo, mas oitocentos e vinte gramas e evidentemente pagar mais caro por isso.

O que seria então mais inteligente? - Limitar ao mínimo a disponibilidade de energia elétrica nas celas dos presídios ou gastar pequenas fortunas instalando sofisticados sistemas de bloqueio? Usar a iluminação zenital para iluminar as celas e que todo mundo vá dormir depois que escurecer.

Valha-me Deus, a energia da minha casa é cortada se estiver com contas em atraso, idem a água, o telefone. Eu preciso trabalhar e ganhar todo dia e ninguém dá moleza não. Nas cadeias tem comida, banho quente, banho de sol, TV, e bandido dá entrevista na televisão e sai na capa das revistas e jornais.

É mais fácil assar o porco no forno, ou continuar queimando a floresta?

ARTIGOS | OUTROS ARTIGOS DESTE AUTOR

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Considere contribuir com o nosso trabalho!!! Obrigado!!!

Últimas no FarolCom

Veja também

Mapas do Triângulo

Meteorologia

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest