Doe para manter a versão nacional       Assine a edição local de Uberlândia

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

#zikazero | CLIQUE AQUI, SAIBA MAIS E PARTICIPE | #zikazero
A sociedade mobilizada para vencer a luta contra o mosquito

Instituto Eu Quero Viver
sexta-feira, 4 junho, 2010 21:40

Saindo da Idade Média

 
 
 
 
Marcello Casal Jr /AgenciaBrasil
 
   
  Vila Estrutural  
     

Nos idos do ano 1000 d.C., o sistema feudal entrava em decadência e começavam a surgir os burgos, pequenos agrupamentos humanos ao redor das muralhas dos castelos.

Artesãos, artistas, comerciantes, banqueiros iam dando forma ao que chamamos hoje de cidades. O mundo de então possuia estimados 265 milhões de habitantes.

Naquele momento da história da humanidade, ninguém fazia ideia do que fosse saneamento básico; o lixo e o esgoto ficavam pelas ruas e as pessoas morriam de peste.

A limpeza era feita pelos cachorros, gatos, ratos e pelas chuvas que carreavam aquela lambança para os cursos d'água, que, contaminados, matavam ou traziam doenças.

Em 1698 o inglês Thomas Savery, inventa o primeiro motor à vapor e abre a porta para a Era Industrial que iria colocar o mundo em ritmo acelerado. No final dos anos de 1700, a Inglaterra via a expansão da indústria têxtil e em 1800, Alessandro Volta, criava a primeira bateria. Nós já eramos 900 milhões.

O meio ambiente ainda era uma lástima, cortávamos árvores, cobríamos as ruas com pedras, impermeabilizávamos o solo, erguíamos chaminés e o lixo era cada vez maior.

Hoje em dia, com quase 7 bilhões de habitantes, continuamos a praticar os mesmos hábitos da Idade Média, com o diferencial que agora somamos ao lixo orgânico, uma infinidade de materiais sintéticos de vida útil curta e degradação lenta.

A água e o solo de hoje são os mesmos de mil anos atrás e muita gente ainda discute ações para diminuir os impactos da poluição que nós mesmos produzimos.

Continuamos comprando inúmeros produtos embalados sem nos perguntarmos o impacto que eles provocam no espaço que ocupamos para viver ou se são realmente necessários.

Temos a dengue trazida por um mosquito que adora a água parada nas garrafas e artefatos impermeáveis que deixamos ao relento. Temos a gripe H1N1 que encontra campo fértil em péssimos hábitos de higiene. Temos também remédios e vacinas, mas não mudamos nossos hábitos de consumo e vivemos de maneira cada vez mais artificial.

Construímos casas, da mesma forma que os primeiros burgos, sem ventilação, sem aproveitamento da luz do sol, cimentamos os quintais e erguemos muros, como se burgueses medievais ainda fôssemos.

Experimente ver a área de lixo de um grande show, o banheiro de um bar movimentado ou procure informações sobre quantos lixões a céu aberto existem no Brasil.

Não dá para falar sobre preservação ambiental, dos recursos hídricos, do ar. Não dá para continuar achando que são as leis e as multas que vão corrigir os problemas ambientais ou o efeito estufa. Não dá para continuar pensando que o caminhão de coleta leva para um lugar distante e seguro o monte de resíduos que produzimos a cada dia.

Porque vivemos na mesma Terra, bebemos a mesma água e respiramos o mesmo ar que os nossos ancestrais e porque temos tecnologia e conhecimento científico suficiente para não continuar repetindo as barbaridades que os seres humanos de antanho praticavam, por puro desconhecimento.

E não dá para comemorar o Dia Mundial do Meio Ambiente, sem assumirmos, cada um de nós o compromisso pessoal e interior de fazer diferente para mudar a realidade que nos atormenta, como atormentou o homem medieval. Aquele porque não sabia, nós por absoluta falta de atitude.

5 de junho de 2010 - Dia Mundial do Meio Ambiente. Há 38 anos comemoramos essa data, mas está na hora de trocar a agenda pela ação.

ARTIGOS | OUTROS ARTIGOS DESTE AUTOR

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Considere contribuir com o nosso trabalho!!! Obrigado!!!

Últimas no FarolCom

Veja também

Mapas do Triângulo

Meteorologia

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest