Doe para manter a versão nacional       Assine a edição local de Uberlândia

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA
Instituto Eu Quero Viver
quinta-feira, 4 agosto, 2011 0:31

Intolerância gera intolerância. Tango Down!

 
 
 
ilustração
 
   
  A mesma situação vivida em dois momentos históricos diferentes  
   
     

Em outras décadas, as modificações sociais seguiam passos lentos. A evolução tecnológica acontecia em pequenas doses e a assimilação gradativa, levava as pessoas do descrédito ao maravilhamento no intervalo de décadas.

As culturas através da história eram moldadas segundo os valores de seus antepassados e as adaptações eram introduzidas no meio social de uma forma bem lenta.

Acredito que estamos saindo agora de um sono que trouxe a humanidade de seus primórdios até o mundo cibernético, onde a cada dia a evolução acontece de modo a quase invalidar o que era novidade há uma semana.

Émile Durkheim é considerado um dos pais da sociologia moderna. Foi o fundador da escola francesa de sociologia, posterior a Marx, que combinava a pesquisa empírica com a teoria sociológica. É amplamente reconhecido como um dos melhores teóricos do conceito da coesão social. (Wikipédia)

Os anos 90 do século XX parecem tão distantes do homem de agora, quanto foi o advento do Cristianismo em relação ao homem dos anos 80 e o que explodiu como novidade 11 anos atrás, às portas do século XXI já foi superado centenas e às vezes milhares de vezes por conceitos e equipamentos que não param de se transformar.

No entanto, nossas estruturas sociais, permanecem monolíticas e nossos conceitos morais engessados numa forma de 5 mil anos.

A obra de Durkheim, fundamentou-se na reflexão e no reconhecimento de uma Consciência Coletiva, partindo do princípio que o homem passou do estado selvagem para o Humano porque foi capaz de aprender hábitos e costumes próprios de seu grupo social e o resultado disso é a Consciência Coletiva.

O que as pessoas fazem, sentem ou pensam acima de suas vontades individuais é um comportamento socialmente aceito. Daí concluiu que se tudo na sociedade está interligado, qualquer alteração afeta toda a sociedade, o que quer dizer que se algo não vai bem em algum setor da sociedade, toda ela sentirá o efeito.

A petrificação desse conceito, pode se manifestar como uma certa apatia, um conformismo com o que parece que não vai mudar nunca. As coisas já estavam lá quando o indivíduo chegou e ir contra esse estado de coisas, poderia trazer desconforto, o que justificaria a apatia conformista.

As instituições sociais são um mecanismo de proteção da sociedade, é o conjunto de regras e procedimentos padronizados socialmente, reconhecidos, aceitos e sancionados pela sociedade, cuja importância estratégica é manter a organização do grupo e satisfazer as necessidades dos indivíduos que dele participam. As instituições são, portanto, conservadoras por essência, quer seja família, escola, governo, polícia ou qualquer outra, elas agem fazendo força contra as mudanças, pela manutenção da ordem. (Wikipédia)

Tango Down!
Quando um estado de coisas numa dita sociedade, caminha para a exclusão, o favorecimento de poucos em detrimento de muitos, pode conduzir a um estado de revolta e insatisfação e as armas utilizadas pelos descontentes variam em função dos meios disponíveis. Se forem pedras, promove-se uma Intifada, se forem computadores cabe um DDoS (distributed denial of service) um ataque, que usa computadores em várias partes do mundo para sobrecarregar um sistema e assim tirar um ou mais sites do ar.

Hoje, o Grupo LulzSecBrazil assumiu o ataque à página da Assembleia Legislativa gaúcha (www.al.rs.gov.br), que está fora do ar, em protesto à ação movida pelo Ministério Público contra o músico gaúcho Tonho Crocco, pelo rap Gangue da Matriz que critica nominalmente os 36 deputados gaúchos que votaram o próprio aumento em 73%.

Por outros motivos, nas semanas recentes os sites da Presidência da República, o Brasil.gov, a Previdência, a Petrobras, a Receita Federal e outra centenas de sites de empresas também passaram pelo mesmo tipo de situação.

Na década de 60, eram os coquetéis molotov, em 2011 são as redes de computadores, derrubando sites e eventualmente se apoderando de dados mais ou menos importantes.

Certos ou não, retorno aos conceitos de Durkheim, de que as instituições são conservadoras e se o status social vigente, pelo menos no Brasil, ainda é o de um profundo abismo social e de um alto grau de despolitização, tão logo surjam movimentos contestatórios, a primeira impressão que fica é de que esses movimentos são prejudiciais, mas eles talvez estejam apenas sinalizando as mudanças necessárias e urgentes.

E cada época com seus próprios sustos. Vou deixar esse assunto para um próximo artigo.

Leia também:

Preconceito - O pai e a mãe de todas as nossas tragédias

O truque do mágico ou paranóia minha?

WikiLeaks como estado de espírito

ARTIGOS | OUTROS ARTIGOS DESTE AUTOR

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Considere contribuir com o nosso trabalho!!! Obrigado!!!

Últimas no FarolCom

Veja também

Mapas do Triângulo

Meteorologia

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest