CAPA | CIDADES | EVENTOS | ARTIGOS | AÇÕES AFIRMATIVAS | LIVROS | QUALIDADE DE VIDA | AGRO | ESPECIAIS | VIAJAR
VIVER BEM | ENDEREÇOS | VÍDEOS | FOTOS | AUTOS | SAÚDE | CULTURA | EDUCAÇÃO | CIÊNCIA | MEIO AMBIENTE | ENERGIA | LIXO

METEOROLOGIA| QUEIMADAS | SINE | PROCON UBERLÂNDIA | DEFESA CIVIL | CEMIG | DMAE | CEP | CTBC | DETRAN'S | CINEMAS

FALE CONOSCO | EXPEDIENTE | ANUNCIE

Ciência, Pesquisa e Tecnologia
 
 
 
 
 
xxx
 
   

Técnica para identificar organismos é tema de simpósio na FAPESP

quarta-feira, 2 dezembro, 2009 20:41

A utilização do DNA Barcoding (código de barras de DNA) como método complementar para identificação de espécies e registro de informações sobre seres vivos será o tema do simpósio internacional organizado pelo Programa Biota-FAPESP nos dias 3/12 e 4/12, na sede da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, FAPESP.

A técnica permite que sequências de fragmentos bem conhecidos de DNA de um organismo – definidos como marcadores moleculares – ampliem as informações existentes no mundo sobre seres vivos e sirvam de apoio a pesquisas acadêmicas com aplicações em diferentes áreas.

Marcadores moleculares têm sido utilizados para auxiliar a identificação de organismos e estudos filogenéticos, que buscam conhecer a origem e relações entre as diferentes espécies. Entretanto, esses estudos utilizam frequentemente marcadores moleculares de maior tamanho, que compreendem o sequenciamento e a análise de um maior número de bases de DNA, em processo mais lento. O DNA Barcode, por ser um marcador mais curto, pode ser obtido rapidamente. Este marcador também tem custo mais baixo e pode ser padronizado para identificação de espécies em cada um dos diferentes grupos de organismos.

A sequência genética do DNA Barcode utilizada para a identificação de organismos é representada graficamente como um conjunto de barras paralelas de quatro cores, que traduz as combinações dos pares de bases do DNA representados por quatro letras: A, C, T e G. Essa sequência inclui cerca de 650 pares de bases e pode ser lida pelas técnicas tradicionais de sequenciamento genético.

O DNA Barcoding pode agregar à taxonomia tradicional um recurso que pode acelerar a identificação de espécies e reduzir a subjetividade nesse processo. A técnica pode ser usada para conhecimento e restauração da biodiversidade em regiões ameaçadas, controle de pragas na agricultura e também para confirmação de atos de biopirataria pela comparação de informações genéticas, entre outras possibilidades.

Coordenado por Mariana Cabral de Oliveira, Cristina Miyaki e Lúcia Lohmann, do Instituto de Biociências da USP, o Simpósio Internacional do Biota-FAPESP sobre DNA Barcoding reúne especialistas do Brasil, Canadá, Colômbia e Estados Unidos para apresentação de iniciativas internacionais e discussão das aplicações e limites do método (veja programação abaixo).


Simpósio Internacional do Biota-FAPESP sobre DNA Barcoding
Dias 3/12 e 4/12
FAPESP – R. Pio XI, 1.500, Alto da Lapa, São Paulo, SP
As palestras terão tradução simultânea



Programa Biota-FAPESP
Criado em 1999 para conhecer, mapear, analisar as origens e a distribuição da fauna e da flora do Estado, o Programa Biota-FAPESP estabeleceu em maio deste ano os objetivos para os próximos 10 anos de pesquisas no seminário Biota+10, alguns em discussão no atual simpósio: inventários da biodiversidade; uso da genômica como ferramenta de estudo; ecologia aplicada; e funcionamento de ecossistemas.

Conhecido como o Instituto Virtual da Biodiversidade, o Biota-FAPESP envolve 1.200 profissionais (900 pesquisadores e estudantes de São Paulo, 150 colaboradores de outros estados brasileiros e 80 do exterior) em 94 projetos que já resultaram na identificação de pelo menos 500 novas espécies de plantas e animais e na publicação de 700 artigos em revistas científicas. Os resultados desse esforço de pesquisa já apoiaram a formulação de dois decretos e três resoluções da Secretaria de Estado do Meio Ambiente para conservação e uso sustentável da bio diversidade paulista.


Seminário Internacional do Biota-FAPESP sobre DNA Barcoding
Programação

3/12
09h30 - DNA Barcodes and Biodiversity
Paul Hebert (University of Guelph, Canadá)
11h00 - Plant DNA Barcodes and Community Phylogenies
John Kress (Smithsonian Institution, Estados Unidos)
14h00 - Plant DNA Barcoding: Advances, applications and limits
Sean Graham (University of British Columbia, Canadá)
14h50 - DNA barcodes as a tool for tree species discovery in diverse tropical forests
Christopher Dick (University of Michigan, USA)
16h10 - ArBOL: Consórcio de Identificação Genética de Plantas Neotropicales
Santiago Madriñan (Universidad de los Andes, Colombia)
17h00 - DNA barcoding the Neotropical flora: We need more than just DNA!
Alberto Vicentini (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia)

4/12
09h00 - The All Birds Barcoding Initiative (ABBI): towards a global perspective on molecular
variation in birds
Pablo Tubaro (Museo Argentino de Ciencias Naturales Bernardino Rivadavia, Argentina)
09h50 - The Fish Barcode of Life Initiative (FISH-BOL)
Robert Hanner (University of Guelph, Canadá)
11h10 - DNA barcoding and Integrative Taxonomy of Bees
Laurence Packer (York University, Canadá) & Jason Gibbs
14h00 - What is CBOL?
David E. Schindell (Smithsonian Institution, Estados Unidos)
14h50 - Uses of DNA Barcoding and potential applications for research in Brazil
Fabrício Santos, Eduardo Eizirik, Cláudio Oliveira
16h40 - Uses of DNA Barcoding and potential applications for research in Brazil –
Mariana L. Lyra , Matheus Pepinelli, Cristina Miyaki
18h00 - Encerramento

Fapesp / Imprensa

Rádio Web Viola Viva     JanCom AgÊncia da Informação
-   -   -
     
-   -   -
   
-   -   -
   

outros destaques:

Ciência e Pesquisa

Últimas no farolcomunitario.com.br

Farol Comunitário Blog vol.02

Brasil no Google Maps