Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Agro | Negócios & Economia

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
quarta-feira, 13 agosto, 2008 19:05

Pesquisa traça perfil do gado leiteiro no Norte de Minas

 
 
 
Divulgação / Seapa
 
   
  A alimentação dos animais foi uma das questões
que apresentaram grandes diferenças entre os grupos
 
     

A Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais (Seapa) e a Embrapa Gado de Leite concluíram um estudo que traça o perfil da atividade leiteira no Norte do Estado. O objetivo foi identificar diferentes sistemas de produção e sua eficiência. A produção de leite do Norte de Minas é de 261 milhões de litros por ano, cerca de 4% da produção estadual.

“O estudo é fundamental para traçar estratégias de assistência técnica e pesquisas voltadas à atividade na região, principalmente em relação à alimentação dos animais”, afirma o assessor da Seapa, Rodrigo Venturin. Ele explica que “os sistemas de produção na região são muito heterogêneos, com níveis tecnológicos e índices de produtividade diferenciados”.

A pesquisa identificou três grupos distintos de pecuaristas, sendo o grupo A formado por produtores com 23 hectares de área média de pastagem. Este grupo representa 80% dos pecuaristas do Norte e responde por 51% da produção leiteira.

O grupo B é composto por produtores com áreas de pastagem com média de 155 hectares e que respondem por 38% do leite produzido na região, correspondendo a 19% daqueles produtores. Já o grupo C representa apenas 1% dos produtores do Norte, mas responde por 12% do leite produzido. O grupo C é formado por aqueles pecuaristas com área média de pastagem de 239 hectares.

Os produtores do grupo A respondem por 74% das vacas ordenhadas da região. A taxa de ocupação nas pastagens é de 1,71 animal por hectare. Os produtores do grupo B são os que apresentam o menor aproveitamento de animais por área. A média é de 1,19 vaca por hectare. O rebanho deste grupo responde por 22% das vacas ordenhadas na região. Com uma taxa de lotação de 2,18 animais por hectare, o grupo C é responsável por 4% das vacas ordenhadas do Norte de Minas.

A alimentação fornecida aos animais também apresentou grandes diferenças entre os grupos. O grupo A utiliza apenas pastagem como alimentação volumosa para o rebanho. O grupo B, além da pastagem, também planta capineira, cana-de-açúcar e sorgo para silagem. Os produtores do grupo C também incorporam silagem de milho à alimentação. O plantio do milho é irrigado. É o único grupo que utiliza esta tecnologia.

O estudo também fez um levantamento em relação ao uso de máquinas, mão-de-obra e reprodução. “O estudo no Norte de Minas foi o primeiro. Os próximos levantamentos serão feitos nas regiões da Zona da Mata, Sul de Minas, Central e Vale do Mucuri”, comenta Rodrigo Venturin.

A pesquisa completa sobre a atividade leiteira no Norte de Minas pode ser conferida no Centro de Inteligência do Leite (www.cileite.com.br), no link “Panorama do Leite”.

Agência Minas

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest