Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Agro | Negócios & Economia

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
 
quarta-feira, 13 maio, 2009 18:21

Minas reforça programa para tornar leite mais competitivo

 
 
 
Emater/MG
 
   
     

A partir de junho será intensificado o trabalho em busca da melhoria da qualidade do leite em Minas Gerais, com o objetivo de atender ao mercado interno e também fortalecer as exportações.

Essa iniciativa do programa Minas Leite, criado pela Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), será realizada em parceria com a Embrapa Gado de Leite e o Polo de Excelência do Leite e Derivados de Minas Gerais.

Na primeira etapa do trabalho será atendido um grupo fazendas da Zona da Mata cadastradas no programa. Técnicos da Emater, vinculada à Seapa, vão fazer durante um ano o acompanhamento daquelas propriedades, localizadas em Juiz de Fora e mais nove municípios: Bom Jardim de Minas, Passa Vinte, Santa Rita de Jacutinga, Oliveira Fortes, Paiva, Rio Preto, Chácara, Chiador e Simão Pereira.

De acordo com o coordenador do Minas Leite pela Seapa, Rodrigo Venturin, “a utilização de boas práticas de produção é o foco do trabalho que será realizado nas fazendas”. O objetivo é agregar condições de melhoria dos produtos para consumo interno e que também possam tornar os laticínios de Minas mais competitivos e valorizados no exterior, ele acrescenta.

Um dos suportes desse trabalho será o software criado pelo Minas Leite, com dados colhidos mensalmente em cada uma das propriedades cadastradas no programa. Os técnicos da Emater vão analisar a qualidade do leite antes, durante e depois da aplicação das boas práticas, e com base nos resultados darão as orientações necessárias para os produtores fazerem os ajustes, inclusive com base nos parâmetros de qualidade estabelecidos pelo Ministério da Agricultura.

Venturin informa que as boas práticas de manejo recomendadas são de baixo custo. “Incluem cuidados como a desinfecção e secagem das tetas das vacas, teste para descarte de leite que apresente eventualmente qualidade inferior, e o resfriamento imediato do produto após a ordenha”, destaca.

Para facilitar o atendimento às normas, após o período de orientação, os extensionistas vão deixar as orientações anotadas na agenda dos produtores e recomendar sua utilização no dia-a-dia da propriedade. “O objetivo é buscar resultados imediatos”, acrescenta Venturin. “Essas normas possibilitam ganhos em primeiro lugar para os produtores que comercializam o leite apenas no mercado interno, porque já se tornou prática nas empresas de laticínios a remuneração do produto pela qualidade.” Segundo Venturin, o preço do litro pode alcançar atualmente até R$ 0,70, sendo cerca de 30% desse valor, ou R$ 0,19, pagos pelas empresas como diferencial pelo produto de qualidade.

Sem improvisação
Para o coordenador do Minas Leite pela Emater, Elmer Almeida, a adoção de boas práticas agropecuárias é um segmento forte da atuação do programa. “O trabalho para a implantação e aperfeiçoamento dessas práticas está ao lado da gestão da pecuária, controle zootécnico e contábil da atividade, que determinam o fim da improvisação nas propriedades leiteiras”, ele explica. De acordo com Almeida, o programa destinado ao reforço das boas práticas será também mais uma oportunidade para o Minas Leite difundir informações sobre todos os aspectos ligados ao desenvolvimento das propriedades. “Isso será feito por meio de dias de campo, palestras e outras atividades”, assinala.

O coordenador explica que as boas práticas não estão limitadas à produção de leite, mas alcançam também os produtores interessados em fazer o processamento do produto. Ele diz que o trabalho tem uma base sólida, porque conta com a parceria do Polo de Excelência do Leite e da Embrapa Gado de Leite, localizados em Juiz de Fora. A Embrapa vai fazer a análise laboratorial do leite para o acompanhamento da qualidade em todas as propriedades até completar, em dois anos, o giro por unidades demonstrativas da Emater em 28 municípios da Zona da Mata. Depois a orientação para o uso de boas práticas será levado a outras regiões de Minas, atendendo primeiramente os produtores cadastrados no Minas Leite.

Para se cadastrar no Minas Leite, os produtores devem encaminhar solicitação, por meio de associações comunitárias, aos escritórios da Emater.

Agência Minas

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest