Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Agro | Negócios & Economia

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
sábado, 2 maio, 2015 - 21h10

Apicultores familiares na Bahia exportaram 30 toneladas de mel

   

A Cooperativa Regional dos Apicultores do Médio São Francisco (Coopamesf), que tem papel importante na cadeia da apicultura na região do Médio São Francisco baiano, exportou nos primeiros quatro meses deste ano 30 toneladas de mel para três países – Estados Unidos, Alemanha e França –, representando uma venda de R$ 218 mil.

O passo importante dado por esse grupo de apicultores familiares resulta do apoio fornecido pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), que estruturou as famílias com 150 kits de materiais apícolas – uma ação do eixo de inclusão produtiva do Plano Brasil sem Miséria.

“Esse mel exportado foi produzido por cerca de 100 apicultores da Coopamesf. Quase 90% desses produtores tiveram os kits de apicultura implantados pela Codevasf. É uma parceria muito importante no âmbito do arranjo produtivo local que nos dá condições de aumentar a estrutura dos produtores e das unidades de extração de mel. Em dois anos, quando os kits produtivos começaram a ser implantados, dobramos o número de apicultores e de colmeias – um aumento que devemos muito à atuação da Codevasf”, afirma Gilmário Mendes, diretor da Coopamesf.

José Luiz Oliveira / Codevasf
Apicultores familiares apoiados pela Codevasf na Bahia exportaram 30 toneladas de mel em 2015

Em 2014, segundo o produtor, outras 25 toneladas de mel já haviam sido exportadas. Nos dois casos, a venda ocorreu em parceria com a empresa Melbras. “Hoje no estado da Bahia não há nenhuma cooperativa nem empresa regularizada para exportação de mel – então fizemos uma parceria com uma empresa de Minas Gerais, regularizada, para que a exportação pudesse acontecer. Foi muito importante essa exportação para regular os nossos estoques e para escoar a produção, que foi grande, já que o consumo local ainda é baixo”, explica Mendes.

Estados Unidos e Alemanha são os dois países que mais importam mel do Brasil. Em 2014, segundo dados da Associação Brasileira dos Exportadores de Mel (Abemel), os Estados Unidos receberam cerca de 19 milhões de quilos de mel natural, enquanto a Alemanha recebeu 1,8 milhão de quilos. Já a França é a sexta maior importadora, com cerca de 266 mil quilos.

“A estruturação da cadeia produtiva apícola, realizada pela Codevasf com outros parceiros, vem possibilitando que o mel produzido no Médio São Francisco atenda cada vez mais aos padrões de qualidade exigidos pelo mercado internacional, trazendo um retorno positivo para o nosso público beneficiado”, aponta Izabel Aragão, gerente de Desenvolvimento Territorial da Codevasf.

Esforço conjunto

“Desde 2004, a Codevasf, em parceria com outras entidades, vem apoiando a apicultura no Território de Identidade Velho Chico, seja com a estruturação de unidades de beneficiamento, repasse de equipamentos, capacitações e apoio a participações de produtores em exposições e congressos de apicultura, e também com um incremento maior de kits produtivos para os produtores que têm renda mais baixa”, frisa Wilson Néri, chefe da unidade de Desenvolvimento Territorial na 2ª Superintendência Regional da Codevasf, sediada em Bom Jesus da Lapa.

“Essa conquista é o resultado de um esforço conjunto, envolvendo não só a Codevasf, mas também outros parceiros que desenvolvem e apoiam a atividade no território, como a Fundação de Desenvolvimento Integrado do São Francisco (Fundifran), o Sebrae, diversas associações de produtores, agentes financeiros, prefeituras e o governo do Estado da Bahia, por meio da Superintendência da Agricultura Familiar (Suaf). Estamos mostrando que, mesmo com as adversidades do semiárido, a apicultura é viável”, afirma Néri.

Novos investimentos

De acordo com a avaliação de Renato Bastos Lessa, técnico da 2ª Superintendência Regional da Codevasf, as exportações realizadas pela Coopamesf estão contribuindo para que o mel alcance valores mais atrativos na região. “A elevação do preço pago para o produtor traz retornos mais significativos e muda a realidade das pessoas que trabalham na cadeia de apicultura”, observa.

Ele revela que um novo investimento de R$ 192,4 mil reforçará a estrutura da Coopamesf com equipamentos para beneficiamento de mel e cera.

Serão dez tanques decantadores, dois tanques descristalizadores de mel, um tanque homogeneizador e um para higienização de embalagens, duas balanças eletrônicas, oito centrífugas elétricas e três manuais, dois conjuntos para selagem de sachê, três plataformas para decantadores, dez mesas desoperculadoras, uma mesa para envase e manipulação de mel, uma envasadora semiautomática, três derretedores de cera elétricos, um conjunto de bomba e filtro de linha, um cilindro alveolador industrial elétrico, uma laminadora contínua de cera em bobina, um balde em aço inox e um balde plástico atóxico.

Inclusão produtiva

Desde 2012, a Codevasf está investindo aproximadamente R$ 4,3 milhões para apoiar ações relacionadas à apicultura no Médio São Francisco baiano, na área de atuação da sua 2ª Superintendência Regional. Os recursos fazem parte do eixo de inclusão produtiva do Plano Brasil Sem Miséria e são oriundos da Secretaria de Desenvolvimento Regional do Ministério da Integração Nacional (SDR/MI).

Foram implantados mil kits de apicultura, um por família, para associações de agricultores familiares de 19 municípios – um investimento de R$ 3,1 milhões. Já na aquisição de equipamentos para beneficiamento de mel e cera, cujos processos de instalação estão em tramitação, o investimento é de R$ 1,1 milhão.

Imprensa | Codevasf

Saiba mais no Caderno Agro

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest