Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA
Instituto Eu Quero Viver
quinta-feira, 21 março, 2013 21:10

Presidente da Federação do Cerrado crê em queda de 10% na safra

Henrique Vieira
No cerrado mineiro, Francisco Sérgio diz que a produção foi de 6,0 milhões de sacas em 2012 e com o ciclo bienal a safra cairá na região para 4,8 milhões de sacas

Assista ao Vivo

+ Fenicafé

Álbum no Flickr

Programação Fenicafé 2013

Visite o site

Veja também:
Agrishow 2012
Expozebu 2012

Francisco Sérgio não acredita que os efeitos da bienalidade estejam diminuídos, ele atribui isso a uma questão momentânea.

A produção brasileira de café em 2013 deverá ficar 10% abaixo do que foi colhido em 2012, com a diminuição normal determinada pelo ciclo bienal da cultura.

A avaliação é do presidente da Federação dos Cafeicultores do Cerrado, Francisco Sérgio de Assis, no primeiro dia da Fenicafé (Feira Nacional de Irrigação em Cafeicultura, que ocorre de 20 a 22 de março em Araguari, no cerrado mineiro.

No cerrado mineiro, Francisco Sérgio diz que a produção foi de 6,0 milhões de sacas em 2012 e com o ciclo bienal a safra cairá na região para 4,8 milhões de sacas. Normalmente, a produção cairia 30%, para 4,2 milhões de sacas, o que é a diferença entre uma safra cheia e uma menor intercaladas. Mas, a diferença será menor esse ano no cerrado e no Brasil. Porém, salienta que a safra 2013 será boa, mas respeitando a bienalidade.

Francisco Sérgio não acredita que os efeitos da bienalidade estejam diminuídos, ele atribui isso a uma questão momentânea. "Bienalidade é bienalidade", contesta. Para ele, os preços mais baixos do café atrapalharam o produtor, e muitas lavouras que iam ser podadas não foram, pelos altos custos, e por isso há essa redução nos efeitos.

O começo da Fenicafé, para Francisco Sérgio, demonstrou a força política do setor cafeeiro. Observou que o presidente do Conselho Nacional do Café (CNC), Silas Brasileiro, está voltando à Câmara como deputado federal, que o novo ministro da Agricultura, Antônio Andrade, é oriundo da região cafeeira do cerrado, e que o diretor da Organização Internacional do Café (OIC) é o brasileiro Roberio Silva. Salientou a importância da minuta do Código Florestal mineiro estar indo para apreciação da Assembleia Legislativa do estado, se equivalendo ao Código Florestal Nacional. "As barragens vão ser declaradas de utilidade pública e fim social. Isso facilita a atividade agrícola da região", afirmou o dirigente da Federação.

Com os baixos preços do café, Francisco Sérgio coloca que é natural que o produtor reduza os investimentos nas lavouras, e isso vai afetar os tratos culturais. "O preço hoje não remunera. Mas é importante o produtor ter em mente que as lavouras de baixa produtividade tem que ser erradicadas, sendo mantidas somente as melhores. E se possível o cafeicultor tem de fazer a renovação dos seus cafezais", afirmou.

(Por Lessandro Carvalho - Safras, de Araguari / MG)

via Lílian Rodrigues

Veja mais Fenicafé 2013

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest