Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA
Instituto Eu Quero Viver
sexta-feira, 22 março, 2013 21:31

Safra de café em 2013 chegará a 48 milhões de sacas

Henrique Vieira
Santinato acredita que safra de café em 2013 chegará a 48 milhões de sacas

Assista ao Vivo

+ Fenicafé

Álbum no Flickr

Programação Fenicafé 2013

Visite o site

Veja também:
Agrishow 2012
Expozebu 2012

O agrônomo e pesquisador do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Roberto Santinato acredita que a margem ficará abaixo da estimativa da Conab.

A safra de café 2013 do Brasil deverá ficar de 47 a 48 milhões de sacas de 60 quilos. É a opinião do agrônomo e pesquisador do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) / Procafé, Roberto Santinato. Ele falou durante a Fenicafé 2013, que ocorre de 20 a 22 de março em Araguari, no cerrado mineiro.

A Conab (Companhia Nacional do Abastecimento) apontou a produção 2013 entre 46,978 e 50,160 milhões de sacas, e Santinato acredita mais na margem inferior da estimativa, devido às perdas na florada em 2012 e a falta de chuvas em outubro/novembro passado para o pegamento dessa florada.

Além disso, o pesquisador destaca que houve desgaste na granação da safra 2012 e que ainda terá efeitos em 2013. E ainda há o natural efeito de redução devido à bienalidade.

Santinato lembra que na época do extinto IBC (Instituto Brasileiro do Café) o governo tinha uma previsão mais acertada, com apenas 3% de erro, com agrônomos visitando quatro vezes ao ano muitas propriedades que serviam para a estatística, como é feito em pesquisas políticas. Agora, sem a utilização do georrenferenciamento, a estimativa do governo é menos precisa. "Se usarem o georreferenciamento aí sim os números serão quase perfeitos", afirmou.

Arábica X Robusta - Ele comentou que a demanda elevada hoje pelo café robusta no mundo, em despeito do arábica, está quase igualando o valor dos dois tipos de grãos. "Quando igualar, a preferência vai voltar ao arábica, porque a qualidade é melhor, e então o arábica subirá de preço de novo", indicou.

Além disso, o pesquisador lembrou que o México, América Central e Colômbia são países em que os produtores são pobres e vendem somente arábicas. "Se mexe muito no preço para baixo, a pobreza aumenta e o produtor vai plantar o que?", destacou. Assim, politicamente, os americanos tendem a ajudar, como sempre fazem.

De qualquer forma, o momento mostra que o aspecto da qualidade é decisivo e mais importante, mesmo, só quando há tranquilidade financeira no setor industrial. Nesses momentos, se exige qualidade aprimorada, se questionam os métodos de produção. Mas, quando a crise chega, o comprador acaba adquirindo o que é mais barato, como é essa relação do arábica e robusta, diante das dificuldades financeiras das grandes torrefadoras com o cenário negativo da economia europeia.

(Por Lessandro Carvalho, Safras)
via Lílian Rodrigues

Veja mais Fenicafé 2013

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest