Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Inovação | Navios Pesquisa| Luz Síncrotron

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
Sábado, 11 Janeiro, 2014 17:11

Método reduz uso de cobaias e ajuda a produzir novas drogas

Marcos Santos / USP Imagens
Os testes permitem conhecer melhor as características de uma molécula
Desde 2008, o CEMSA atende a indústria farmacêutica por meio de serviços laboratoriais até então inexistentes no Brasil

O longo caminho entre a descoberta de um princípio ativo e o desenvolvimento de um medicamento exige numerosos – e muitas vezes custosos – testes e análises.

Mas a tecnologia pode ajudar a tornar esse fluxo mais rápido e barato e ainda reduzir o uso de animais nos laboratórios. Essa é a proposta do Centro de Espectrometria de Massas Aplicada (CEMSA), uma das empresas incubadas pelo Centro de Inovação, Empreendedorismo e Tecnologia (Cietec), localizado na USP.

Desde 2008, o CEMSA vem atendendo, principalmente, a indústria farmacêutica por meio de serviços laboratoriais até então inexistentes no Brasil. Trata-se de um conjunto de ensaios cujos resultados servem de base para a avaliação do potencial farmacológico de uma molécula, indicando se vale a pena levar o projeto adiante e as adequações necessárias para que possa, efetivamente, resultar em um medicamento.

"A ideia é que se houver falhas, elas aconteçam mais cedo e não em uma fase lá na frente", conta o químico Daniel Lebre, sócio-fundador da empresa. Os testes permitem conhecer melhor as características de uma molécula – ela pode servir a um determinado objetivo, por exemplo, mas apresentar alta toxicidade. Nesse caso, os testes in vitro são capazes de identificar a propriedade indesejada, dispensando a aplicação de testes em animais nesta etapa.

Potencial farmacológico

Segundo Alexandre Scuotto, sócio responsável pela gestão financeira da empresa, há pesquisas que indicam que cerca de 40% das drogas em desenvolvimento falham por apresentar baixa propriedade biofarmacêutica, ou seja, características físico-químicas pouco interessantes para a indústria. Essa também é uma das principais razões para o atraso no processo de desenvolvimento.

As análises feitas pelo CEMSA, assim, fornecem respostas mais rápidas e eficientes sobre as substâncias estudadas a partir de ensaios de absorção, distribuição, metabolismo e eliminação, conhecidos pela sigla ADME. Estas análises dizem, entre outras informações importantes, se o fármaco que está sendo pesquisado atinge a circulação sanguínea, se após entrar na corrente ele alcança o alvo pretendido e a velocidade com que o organismo metaboliza a droga, características fundamentais para avaliar seu potencial.

Os testes realizados no laboratório utilizam como método a espectometria de massas. "Trata-se de uma ferramenta analítica capaz de análises quantitativas e qualitativas importantes. O equipamento é o coração dos ensaios", explica Daniel Lebre. Ao "quebrar" as moléculas, o espectômetro permite conhecer cada fragmento dela e identificar, a partir da massa calculada, quais átomos a compõem.

Segundo o químico, ao entrar no organismo, uma molécula pode se transformar de diversas formas. Com os testes, é possível prever essas modificações e verificar se elas são tóxicas, e entender o metabolismo da droga, viabilizando a análise sobre seu potencial. "No caso de um antidepressivo, a ideia é que ela fique bastante tempo na corrente sanguínea. A molécula não pode ser eliminada muito rápido", exemplifica Lebre.

Pela alta sensibilidade do equipamento, o espectômetro é usado não apenas na indústria farmacêutica, mas também na produção de cosméticos, alimentos e análises anti-doping, por exemplo. O aparelho do CEMSA foi adquirido com o apoio do Programa FAPESP Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (PIPE).

Estímulo à inovação

O Cietec é resultado de um convênio entre a USP, o Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen) e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) – ambos unidades associadas da Universidade – com a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo (SDECT) e o Serviço de Apoio as Micro e Pequenas Empresas de São Paulo (Sebrae).

As empresas incubadas desenvolvem projetos inovadores de base tecnológica com o incentivo do Cietec, que oferece infraestrutura física para a instalação dos empreendimentos, além de serviços de apoio. "A incubadora nos apoia, por exemplo, com os editais de fomento. Eles mapeiam as linhas de financiamento e compartilham o know-how que têm de cada órgão", conta Alexandre Scuotto. Segundo o sócio, a aprovação do plano de negócios do CEMSA pelo Cietec foi o que impulsionou o projeto da empresa, que hoje já se encontra em um nível de desenvolvimento avançado. A ideia agora, conta Alexandre, é expandir a área de atuação da empresa e estruturar um laboratório para análises clínicas.

Mais informações: site http://www.cemsalab.com.br

Aline Naoe, do USP Online

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest