Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Instituto Eu Quero Viver
terça-feira, 28 fevereiro, 2012 10:50

Redução de acidentes, cidades digitais e crack

 
 

Presidenta Dilma conversa em sua coluna semanal sobre campanhas e fiscalização para reduzir acidentes de trânsito, Projeto Piloto de Cidades Digitais e o plano "Crack, é possível vencer"

Adalberto Luz, 48 anos, biólogo em Florianópolis (SC) – O seu governo pensa em fazer campanhas educativas para reduzir as mortes em acidentes de trânsito?

Presidenta Dilma – Nós temos desenvolvido campanhas e intensificado a fiscalização, e os resultados estão aparecendo. No Carnaval deste ano, por exemplo, o número de mortos foi 18,5% menor que no do ano passado e o de acidentes caiu 22,5%, apesar do aumento da frota em circulação. Esses números são resultantes da operação Rodovida, realizada pelas Polícias Rodoviárias Federal e Estaduais, órgãos de Segurança dos Estados e Detrans. Estamos também implementando o Parada – Pacto Nacional pela Redução de Acidentes, com ações de conscientização e campanhas educativas. Depois do início do Parada, em maio de 2011, os feriados apresentaram redução do número de óbitos em relação aos de 2010: Corpus Christi, redução de 35%; Proclamação da República, 27%; Natal, 20%; e Ano Novo, 44%. O Parada é a resposta brasileira à iniciativa da ONU, de proclamar 2011 a 2020 como a Década de Ações de Segurança no Trânsito. Mas o número de acidentes e vítimas ainda é alto e a causa principal é o fator humano: cansaço, desatenção, excesso de velocidade, desrespeito às leis de trânsito, não uso de equipamentos de segurança, imprudência e consumo de bebidas e outras drogas. Temos, governos e sociedade, que manter um esforço permanente, com campanhas, fiscalização e mudanças de atitude, para reduzir cada vez mais o número de acidentes e de vítimas.

Benedito A. dos Santos, 18 anos, estudante em Volta Redonda (RJ) – Piraí (RJ) teve incentivo para instalar uma Cidade Digital e beneficiar alunos e professores. O projeto chegará a outras cidades?

Presidenta Dilma – Sim, Benedito, visando ampliar os programas de inclusão digital, vamos lançar, por exemplo, no mês de março, o Projeto Piloto de Cidades Digitais em 80 municípios. O objetivo é permitir que a população possa se conectar à internet de forma gratuita em locais públicos, como praças e rodoviárias. As prefeituras poderão oferecer acesso aos seus serviços pela rede mundial, incluindo a marcação de consultas. Estamos também implantando banda larga nas escolas públicas de todo o Brasil. Até 2011, 58.754 escolas já estavam conectadas por banda larga à internet. Em Piraí e em 4 outras cidades foi implementado em 2008 o programa Um Computador por Aluno (UCA), que começou como experiência. Na segunda fase, foram adquiridos 150 mil computadores para professores e estudantes de 380 escolas. Em 2010, o projeto evoluiu para o Programa Um Computador por Aluno (Prouca), em que os municípios podem adquirir computadores para suas escolas de empresa selecionada por pregão eletrônico realizado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O governo coloca à disposição dos municípios linha especial de crédito do BNDES. Qualquer estado ou município pode se habilitar. Em 2011, foram adquiridos 345 mil laptops, com investimentos de R$ 123 milhões. Todos esses projetos visam ampliar o acesso de estudantes e cidadãos em geral aos recursos da informática.

Isadora M. Bueno, 42 anos, professora em São Paulo (SP) – O crack está se alastrando como erva daninha. Dá para derrotar essa praga?

Presidenta Dilma – Sim, Isadora, dá para derrotar essa ‘praga’, como você bem disse, que ameaça sobretudo o futuro dos nossos jovens. Tanto que lançamos, em dezembro, o plano Crack, é possível vencer. Estados e municípios já podem apresentar projetos para terem acesso aos R$ 2,1 bilhões destinados ao plano até 2014. Para tratamento de usuários de crack e de outras drogas, inclusive álcool, serão abertos pelo SUS 3.614 leitos. Teremos ainda 308 consultórios de rua, com médicos, enfermeiros e técnicos de enfermagem nos locais de maior concentração de usuários. Vamos investir também fortemente na prevenção. Planejamos capacitar, em 42 mil escolas públicas, 210 mil educadores e 3.300 policiais militares que atuam no Programa Educacional de Resistência às Drogas (Proerd). Para intensificar o combate ao tráfico, contrataremos mais 2 mil policiais para as Polícias Federal e Rodoviária Federal. Repassaremos recursos a Estados e municípios para que façam policiamento ostensivo e integrem as ações policiais. Estas e diversas outras ações devem envolver a participação de toda a sociedade para que a nossa luta seja vitoriosa. Para mais informações, basta acessar www.brasil.gov.br/enfrentandoocrack ou ligar para o VivaVoz (número 132 ou 0800-510 0015), serviço sigiloso e gratuito.

Fonte: Secretaria de Imprensa da Presidência da República|Departamento de Relacionamento com a Mídia Regional
[foto: Arte sobre fotos de Roberto Stuckert Filho/PR e José Cruz/ABr]

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Índice

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest