Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Instituto Eu Quero Viver
terça-feira, 24 abril, 2012 21:28

Rede Cegonha e qualificação profissional

 
 

Presidenta Dilma conversa em sua coluna semanal sobre o programa Rede Cegonha, ações de qualificação de profissionais em todo o país e contratos de concessão

Iara A. Ferreira, 19 anos, auxiliar administrativa em Contagem (MG) – Ouvindo o seu pronunciamento no Dia Internacional da Mulher tomei conhecimento do programa Rede Cegonha. Como estou na primeira gravidez, gostaria de receber os benefícios desse programa em meu município.

Presidenta Dilma – Iara, o primeiro passo é procurar um posto de saúde, para iniciar os cuidados do pré-natal e se cadastrar para receber o acompanhamento da Rede Cegonha. A Rede visa garantir assistência integral, desde o planejamento familiar até a confirmação da gravidez, passando pelo pré-natal, parto, pós-parto, até os dois primeiros anos de vida da criança. A gestante poderá solicitar um auxílio transporte de até R$ 50,00 para não faltar às consultas do pré-natal. Em Contagem, você deverá iniciar o acompanhamento pela Rede Cegonha na Unidade Básica de Saúde mais próxima de sua residência e ter o seu bebê na Maternidade Municipal da cidade, que está sendo ampliada com recursos do governo federal. Foram R$ 3,26 milhões para a qualificação e custeio de novos leitos de UTI Neonatal e adulto, leito Canguru, leitos de gestação de alto risco e UCI Neonatal. Destinamos também para o seu município R$ 457 mil para custear, por exemplo, a ampliação da oferta dos novos exames de pré-natal. Já aderiram à Rede Cegonha 2.731 municípios, de 25 estados. Vamos investir R$ 9,4 bilhões, até 2014, para aperfeiçoar toda a rede de assistência, ampliar e melhorar as condições de atendimento. Brasileiras como você poderão ter uma gestação segura e dar à luz e cuidar de seus bebês com atendimento adequado e humanizado no Serviço Único de Saúde, o SUS.

Eliane Ribeiro, 48 anos, agente comunitária de saúde em Duque de Caxias (RJ) – Por que o governo não investe mais na prevenção, oferecendo mais cursos de capacitação aos agentes comunitários de saúde?

Presidenta Dilma – Concordo com você que é fundamental cuidar da prevenção. Para isso, o governo federal desenvolve um conjunto de ações de qualificação de profissionais em todo o país. Os agentes que atendem nos serviços de Atenção Básica do SUS podem optar pela educação e pela supervisão à distância por meio do Programa Telessaúde Brasil Redes. Especialistas orientam à distância os profissionais que estão em contato direto com o paciente, tornando o aprendizado muito mais efetivo. No ano passado, lançamos a estratégia Saúde Mais Perto de Você – Acesso e Qualidade, que prevê mais recursos para os municípios que cumprirem metas na qualificação do trabalho nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e no Saúde da Família, programa no qual os agentes comunitários estão inseridos. Neste mês iniciamos a terceira etapa de avaliação de 17.482 Equipes de Saúde da Família (ESF) que atendem a 3.972 municípios. Os que tiverem equipes bem avaliadas poderão receber até o dobro dos recursos, o que permitirá preparar os agentes para que ofereçam um atendimento de muito melhor qualidade aos usuários do SUS.

Yuri Korelo, 16 anos, liderança estudantil em Ponta Grossa (PR) – Existem rodovias federais privatizadas por governos anteriores, cujo valor dos pedágios é absurdo e o investimento que se faz é mínimo. Com a aproximação do fim dos contratos de concessão, queria saber o que será feito pelo governo.

Presidenta Dilma – No Paraná, Yuri, há apenas três trechos de rodovias com concessões em que o poder concedente é o governo federal: dois na BR-116 (São Paulo–Curitiba e Curitiba–Divisa SC-RS), e um na BR-376-101 (Curitiba–Florianópolis). Os contratos foram assinados em 2008, com prazo de validade de 25 anos. As concessões desses trechos já foram feitas seguindo um novo modelo, que prevê a licitação pela menor tarifa de pedágio, e não mais pelo maior valor de outorga que a empresa pagava ao governo. Essa foi a principal mudança, exatamente para beneficiar o usuário. As empresas, por contrato, se comprometem também com a recuperação, duplicação, enfim, com a modernização das rodovias. Temos utilizado essa nova forma de licitação para novas concessões ou por ocasião do vencimento dos contratos já existentes. Há outros casos de rodovias em que o poder concedente é o governo estadual, ao qual cabe definir como serão os contratos de concessão. Isso ocorre no Paraná, onde algumas estradas federais passaram à administração do estado e, mais tarde, foram concedidas por este à iniciativa privada. Os contratos dessas concessões vencem somente na próxima década, quando haverá oportunidade de o governo estadual repactuar as condições da concessão.

Fonte: Secretaria de Imprensa da Presidência da República|Departamento de Relacionamento com a Mídia Regional
[foto: Arte sobre fotos de Roberto Stuckert Filho/PR e José Cruz/ABr]

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Índice

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest