Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Instituto Eu Quero Viver
terça-feira, 5 junho, 2012 21:55

Melhor em Casa, Luz para Todos e Ciência sem Fronteiras

 
 

Presidenta Dilma conversa em sua coluna semanal sobre o Melhor em Casa, Luz para Todos e Ciência sem Fronteiras

Aluízio Ferreira de Araujo, 66 anos, artífice no bairro de Campo Grande, Rio de Janeiro (RJ) – O que a senhora pode fazer para tornar digno o atendimento médico-hospitalar da rede pública para a maioria dos brasileiros?

Presidenta Dilma – Estamos trabalhando firme para isso, Aluzío, para garantir atendimento de qualidade a todos os usuários do Sistema Único de Saúde (SUS). Em novembro passado, por exemplo, iniciamos o programa de atendimento domiciliar, o Melhor em Casa, que reduz a lotação dos hospitais e dá atendimento mais humanizado, junto à família. No município do Rio de Janeiro já há 10 equipes, que atendem 600 pacientes por mês. E desde janeiro enviamos a Carta SUS aos paciente, para saber como ele foi tratado durante a internação. Criamos também as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24 Horas), que podem resolver 97% dos casos que recebem. O seu Estado tem 53 UPAs, e está também no programa SOS Emergência, que vai melhorar os hospitais Miguel Couto e Albert Schweitzer. E ajudamos os Estados a aumentar o número de cirurgias eletivas, o que fez os mutirões crescerem 65%, passando de 209,6 mil cirurgias, em 2010, para 345,8 mil, em 2011. Só as cirurgias de catarata aumentaram 96,4% no período. Desde 2011 também distribuímos medicação gratuita para hipertensão e diabetes, que você pode retirar nas 20 farmácias do seu bairro credenciadas no Aqui Tem Farmácia Popular. Em todo o País, são 20 mil farmácias, que já atenderam 10 milhões de pessoas, sendo 1,5 milhão no seu Estado. São exemplos, Aluízio, do esforço permanente para melhorar a saúde no Brasil, e que terá continuidade.

Afonso Miranda de Araújo, 76 anos, lavrador em Oliveira dos Brejinhos (BA) – Todos os povoados ao redor de onde eu moro (Grama) já receberam o Luz para Todos. Será colocada luz no meu povoado? Será que ainda vou ver luz?

Presidenta Dilma – Afonso, a luz está programada para chegar à sua casa em 2013. A ligação da localidade em que você mora está prevista no projeto da região de Mulungu, segundo informações da Coelba. O projeto já foi aprovado pelo Comitê Gestor Estadual do Programa Luz para Todos da Bahia e vai atender a 58 famílias, como parte das metas acordadas entre o governo federal e a Coelba, que realizará mais 104 mil novas ligações na Bahia, até 2014. Desde 2003, Afonso, o programa já beneficiou 2,9 milhões famílias em todo o Brasil, sendo 480 mil ligações somente na Bahia, que é o estado mais favorecido pelo programa. Ao garantir a chegada da energia à casa dessas famílias, estamos fazendo uma verdadeira revolução no Brasil. Com a energia, melhora a qualidade de vida das pessoas e aumenta a sua capacidade de produção. Para alcançar pontos isolados, como a região Amazônica, temos utilizado várias alternativas, aliando tecnologia e sustentabilidade, como sistemas de geração de miniusinas fotovoltaicas e distribuídas por minirredes. Utilizamos também materiais como cabos subaquáticos e postes de fibra de vidro, que podem ser transportados mais facilmente, até em canoas, para contemplar ilhas fluviais e oceânicas. Nosso objetivo é levar energia a todos os brasileiros, como você, Afonso, que em breve terá luz em casa.

Ronaldo Botelho Gomes, 24 anos, advogado em Belo Horizonte (MG) – O programa Ciência sem Fronteiras oferece bolsas para pós-graduação lato sensu?

Presidenta Dilma – Não, Ronaldo, o Ciência sem Fronteiras não oferece bolsas para pós-graduação lato sensu, que são programas de especialização que conferem ao aluno certificados. O foco do programa é oferecer bolsas de graduação, doutorado sanduíche, doutorado pleno e pós-doutorado nas áreas de ciências exatas, médicas e tecnológicas. Esta opção deve-se à necessidade de nosso país investir em áreas que permitam acelerar o desenvolvimento de novas tecnologias e processos de inovação no Brasil. Até 2014, vamos enviar 101 mil estudantes ao exterior. Neste ano, haverá 20 mil bolsas para estudantes de física, química, matemática, biologia, ciências médicas e da computação e em todas as áreas de engenharia. Instituições de excelência, como a Universidade Harvard e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, oferecem vagas para nossos bolsistas. O critério de escolha do Ciência sem Fronteiras é o mérito, levando em conta o desempenho do estudante no Enem, o que dá oportunidade para todos, inclusive alunos de famílias pobres que jamais poderiam estudar no exterior. Os interessados devem fazer a inscrição na página do programa www.cienciasemfronteiras.gov.br.

Fonte: Secretaria de Imprensa da Presidência da República|Departamento de Relacionamento com a Mídia Regional
[foto: Arte sobre fotos de Roberto Stuckert Filho/PR e José Cruz/ABr]

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Índice

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest