Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Instituto Eu Quero Viver
terça-feira, 2 outubro, 2012 10:58

Mais Educação, economia e Integração do São Francisco

planalto.gov.br

Presidenta Dilma conversa em sua coluna semanal sobre o programa de Ensino Integral Mais Educação, crescimento da economia brasileira e o Projeto de Integração do Rio São Francisco.

Juliano Moreira dos Santos, 35 anos, sociólogo de Guarulhos (SP) – Sei que há uma proposta dentro do governo de escolas em tempo integral. Como funcionaria isso? Já temos escolas públicas que atuam em tempo integral?

Presidenta Dilma – Juliano, já temos 32 mil escolas públicas com ensino em tempo integral em todo o país, como parte do programa de Ensino Integral Mais Educação, e queremos chegar a 60 mil até 2014. Nestas escolas, no turno oposto ao das aulas, os alunos têm acompanhamento pedagógico obrigatório e os professores ajudam nas tarefas, tiram dúvidas e reforçam, com aulas, o aprendizado, principalmente de português e matemática. Muitas vezes, há atividades fora da sala de aula - jogar xadrez, por exemplo, exercita o raciocínio lógico e ajuda no aprendizado da matemática; a música e o esporte ajudam na concentração e na disciplina. Mas a principal atividade é mesmo o reforço das matérias curriculares. Além disso, os alunos têm na escola café da manhã, almoço e lanche da tarde. Após o lançamento do Brasil Sem Miséria, estamos levando o programa prioritariamente às escolas onde há maioria de crianças que recebem o Bolsa Família. Já conseguimos elevar de 5.300, em 2011, para quase 18 mil, neste ano, as escolas que têm maioria de alunos do Bolsa Família e oferecem educação integral.

André Falcão Ferreira, 26 anos, contador de Teresina (PI) – Presidenta, as obras da copa de 2014 e as medidas de estímulo, de curto prazo, ao consumo, não contiveram a queda no crescimento. Que medidas vossa excelência planeja implementar visando um crescimento maior e mais estável?

Presidenta Dilma – André, o ritmo de crescimento da economia brasileira começou a acelerar, e continuamos gerando emprego – foram 2,2 milhões no ano passado e mais 1,38 milhão até agosto de 2012. Isto é resultado das medidas adotadas para assegurar crescimento sólido e sustentável, grande parte delas no âmbito do Plano Brasil Maior (www.brasilmaior.mdic.gov.br/). Não são apenas estímulo ao consumo, mas, principalmente, incentivo ao investimento. Já temos a taxa básica de juros mais baixa da história (7,5%). Em setembro, desoneramos a folha de pagamento de mais 25 setores, somando agora 40 segmentos produtivos que recolhem o INSS com base em alíquota sobre o faturamento, e não mais sobre a folha. Somente em 2013, as empresas economizarão cerca de R$ 12,8 bilhões com essa medida e o benefício total pode chegar a R$ 60 bilhões até 2016. Estamos adquirindo R$ 8,4 bilhões em máquinas e equipamentos, para estimular a produção industrial. O Programa de Investimentos em Logística aplicará R$ 133 bilhões para duplicar rodovias e ampliar em 10 mil km nossa malha ferroviária. O custo da eletricidade cairá até 28% para as empresas, a partir de 2013, e, em média, 16,2% para as residências. Autorizamos 21 estados a investir adicionalmente até R$ 58,3 bilhões em infraestrutura até 2014. São exemplos de medidas que ampliam nosso mercado interno e estimulam o investimento privado e do Estado, necessárias para o crescimento sustentado e com mais competitividade.

Giordano Frederico da Cunha Bispo, 24 anos, estudante de Itabaiana (SE) – Estou sentindo falta das notícias sobre as obras do PAC. Como estão as obras da transposição? Pararam? Estão em licitação?

Presidenta Dilma – Giordano, o Projeto de Integração do Rio São Francisco está em obras em nove dos 16 lotes, com mais de 4 mil trabalhadores, número que deve subir para 6 mil em breve. Eles estão construindo túneis, canais, aquedutos e barragens, com mais de 1,2 mil equipamentos em operação. Já há um lote concluído, o do canal de aproximação do Eixo Norte, feito pelo Exército, e o Ministério da Integração Nacional já autorizou o início das obras do Lote 5, em Jati, no Ceará. Os cinco lotes restantes, que foram paralisados, serão relicitados ainda neste ano. Todo o empreendimento está orçado em R$ 8,2 bilhões, com previsão de conclusão em 2015. O projeto também contempla quase R$ 1 bilhão para 38 ações socioambientais, como pesquisas arqueológicas e monitoramento da fauna e da flora. O Projeto de Integração do Rio São Francisco é uma obra estratégica do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que levará água para 12 milhões de pessoas em 390 municípios de quatro estados do Nordeste: Pernambuco, Paraíba, Ceará e Rio Grande do Norte. É hoje a maior obra de infraestrutura hídrica para usos múltiplos executada diretamente pelo governo federal. Continue acompanhando o andamento das obras por meio do site http://www.mi.gov.br .

Fonte: Secretaria de Imprensa da Presidência da República|Departamento de Relacionamento com a Mídia Regional
[foto: Arte sobre fotos de Roberto Stuckert Filho/PR e José Cruz/ABr]

Índice

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest