Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Instituto Eu Quero Viver
terça-feira, 12 fevereiro, 2013 11:57

Cartão BNDES, implantação de cisternas e bolsa para universitários

planalto.gov.br

Presidenta Dilma conversa em sua coluna semanal sobre o cartão BNDES, a implantação de cisternas e a bolsa para universitários

Carlos Alberto de Toledo, jornalista de Brasília (DF) – Presidenta, tenho tentado obter uma linha de crédito do Cartão BNDES destinada a ampliar minha atividade de Comunicação e observei o quanto burocrático e desgastante é conseguir recurso oriundo do governo.

Presidenta Dilma – Carlos Alberto, o Cartão BNDES é uma linha de crédito rotativo e pré-aprovada, sem anuidade, destinada a Micro, Pequenas e Médias Empresas (MPME). A linha pode ser contratada em cinco instituições: Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Bradesco, Banrisul e Itaú. Esses bancos recebem os recursos do BNDES e assumem o risco do crédito que concederem. Como cada banco tem uma política de relacionamento específica, é importante o interessado consultar mais de uma instituição, para identificar em qual se encaixa melhor o seu negócio. É permitido ter cartões dos cinco bancos emissores e cada um poderá oferecer limite de até R$ 1 milhão. O interessado deve estar em dia com os tributos e as obrigações federais, como determina a lei. O financiamento pode ser pago em até 48 prestações mensais fixas. O tempo médio para a emissão do cartão é de 25 dias, depois de aprovado o crédito. Se a resposta se estender muito além disso, entre em contato com o seu gerente, ou com o BNDES. E eu tenho uma boa notícia: neste mês de fevereiro, os juros baixaram de 0,91% ao mês para 0,86%, a menor taxa para essa linha desde seu lançamento em 2003. Por tudo isso, é importante que vocês empreendedores persistam em seus projetos.

Reginaldo Ramos de Souza, 38 anos, serviços gerais de Bom Jesus da Lapa (BA) – Quero lhe pedir que faça alguma coisa pelo povo do quilombo Rio das Rãs, que está passando das piores por falta d´água.

Presidenta Dilma – Reginaldo, neste ano, o Programa Água para Todos iniciará a instalação de cisternas em sua comunidade. Em toda a zona rural de Bom Jesus da Lapa, serão implantadas 1,5 mil cisternas. Inicialmente, a comunidade receberá as cisternas de primeira água, para beber e cozinhar. Depois, serão instaladas as de segunda água, para a produção agropecuária. Nesse intervalo, o abastecimento de água continuará sendo feito por carro-pipa. A seleção das famílias é coordenada por um comitê de representantes do seu município, e a instalação é feita pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf). Em 2012 já foram instaladas cinco mil cisternas no Médio São Francisco, em Ibotirama, Boquira, Caetité, Macaúbas e Riacho de Santana. O Programa Brasil Quilombola, Reginaldo, também tem contribuído para melhorar a qualidade de vida de muita gente: 206 comunidades, inclusive a sua, receberam a titularidade da terra, beneficiando 12.804 famílias; com o Programa Luz para Todos, a eletricidade já chegou a mais de 25 mil domicílios. Atualmente, 2.008 equipes de Saúde da Família e 1.536 equipes de Saúde Bucal estão atuando em 1.117 municípios, para atender assentados da reforma agrária e comunidades quilombolas. E 1.945 escolas quilombolas em todo o país são beneficiadas pelo adicional no valor da merenda escolar.

Amilton Moura da Silva, 33 anos, armazenista em Feira de Santana (BA) – Sobre a bolsa de R$ 400,00 para estudantes cotistas que o governo federal vai fornecer, esses cotistas são os atendidos pelo Sisu, Prouni ou os que fazem vestibular normalmente nas universidades? E essas universidades podem ser estaduais ou só nas federais?

Presidenta Dilma – Amilton, nosso objetivo é beneficiar todos os estudantes de baixa renda cotistas que ingressaram em instituições públicas de ensino superior por meio do Sistema Seleção Unificada (Sisu) e que estejam matriculados em curso com carga horária diária igual ou superior a cinco horas. São alunos com renda familiar por pessoa inferior a um salário mínimo e meio (até R$ 1.017,00), que, devido à carga horária dos cursos, não conseguem fazer estágio e nem trabalhar e que, por isto, precisam de auxílio para pagar as despesas do curso. A bolsa, de R$ 400,00, começará a ser paga ainda neste semestre pelo Ministério da Educação (MEC), por meio de um cartão magnético, assim que o Congresso Nacional aprovar o Orçamento da União e a Medida Provisória que a criou. Para isso, o Programa Nacional de Assistência Estudantil foi suplementado em R$ 603 milhões. A única contrapartida exigida do bolsista será um bom desempenho escolar. Queremos assegurar a esses estudantes, que ingressaram no ensino superior com muito esforço, as condições também para concluir os seus estudos.

Fonte: Secretaria de Imprensa da Presidência da República|Departamento de Relacionamento com a Mídia Regional
[foto: Arte sobre fotos de Roberto Stuckert Filho/PR e José Cruz/ABr]

Índice

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest