CaldoQuantico   Holopraxis   CQL   CreSentes   DNAtos   PARCEIROS   EXPEDIENTE   ANUNCIE   PRIVACIDADE E USOS  
 
CAPA | GERAL | CADERNO 1 | CADERNO 2 | CADERNO 3 | CADERNO 4 | BLOGS | LINKS ÚTEIS
COP 15
 
 
 
 
 

Leia mais em:
-COP 15
-Campanha Global de Ações pelo Clima
-Meio Ambiente

 
  www.agencialusa.com.br  
     

ONU quer que países definam acordo climático esta semana

terça-feira, 8 dezembro, 2009 21:22

Copenhague, 8 dez (Lusa) - O secretário-executivo da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, Yvo de Boer, pediu, nesta terça-feira, para os 192 países reunidos em Copenhague concluírem as bases de um acordo climático ainda esta semana e deixarem os assuntos políticos para os últimos dias da Conferência do Clima, que acontece na capital dinamarquesa.

No segundo dia de trabalhos da cúpula sobre o clima, que foi inaugurada na última segunda-feira, De Boer pediu às delegações dos 192 países que "façam o máximo de trabalho possível" e cheguem, ainda durante esta semana, a um consenso em pontos essenciais, como adaptação, combate, tecnologia, financiamento, florestas e captação.

O objetivo, segundo o secretário-executivo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (UNFCCC, na sigla em inglês), é que quando os ministros do Meio Ambiente das nações que fazem parte do convênio chegarem a Copenhague, nos dias 12 e 13 deste mês, só precisem discutir questões políticas.

Yvo de Boer, que tem a difícil tarefa de conseguir o consenso em torno de um novo acordo climático que concretize os objetivos necessários para assegurar que o aquecimento global não supere dois graus Celsius em relação à era pré-industrial, considerou que a cúpula de Copenhague teve um "bom começo".

Em coletiva de imprensa, De Boer destacou ainda o crescente consenso que existe entre as nações ricas quanto à necessidade de conceder, aos países pobres e em desenvolvimento, uma ajuda anual de US$ 10 bilhões (R$ 17,2 bilhões, ao câmbio atual), entre 2010-2012, para que estes diminuam suas emissões e consigam se adaptar aos impactos das mudanças climáticas.

Financiamento a longo prazo das ajudas

Segundo o responsável da ONU, as principais dificuldades nas negociações apontam para uma falta de consenso sobre o financiamento a longo prazo destas ajudas (2012 até 2020), e sobre a redução das emissões.

Ele reiterou que os anúncios feitos até agora pelos países industrializados "não são suficientes" e ainda estão distante do objetivo pedido pela ONU de conseguir um corte das emissões entre 25% e 40% frente aos níveis de 1990.

De Boer ressaltou que o acordo que for obtido na reunião deve incluir uma lista completa de compromissos individuais de cada país e estabelecer mecanismos efetivos para garantir que estes sejam cumpridos.

No entanto, o diretor da Agência Internacional de Energia (AIE), Nobuo Tanaka, considerou, nesta terça-feira, que um fracasso em Copenhague poderá custar à economia mundial US$ 500 bilhões (R$ 864 bilhões) por ano

"Se não se tomarem medidas imediatas para diminuir as emissões de dióxido de carbono, serão necessários US$ 500 bilhões por ano em investimentos adicionais para recuperar o tempo perdido e voltar ao trajeto inicial", estimou o representante da AIE, em Paris.

Durante apresentação de um estudo sobre energia renovável, Tanaka considerou ainda "impossível" que de Copenhague saia um tratado internacional obrigatório.

www.agencialusa.com.br


Material jornalístico passível de direitos autorais.
Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes.
Antes de reproduzir por qualquer meio, consulte sobre autorização
Leia também nossos Termos de Uso e Serviço
Preços, prazos e links podem sofrer alteração e correpondem ao dia em que o material foi publicado

outros destaques:

DNAtos

Caldo Quântico

Brasil no Google Maps