CaldoQuantico   Holopraxis   CQL   CreSentes   DNAtos   PARCEIROS   EXPEDIENTE   ANUNCIE   PRIVACIDADE E USOS  
 
CAPA | GERAL | CADERNO 1 | CADERNO 2 | CADERNO 3 | CADERNO 4 | BLOGS | LINKS ÚTEIS
Instituto Eu Quero Viver
 
 
 

Leia mais em:
-COP 15
-Campanha Global de Ações pelo Clima
-Meio Ambiente
-
COP 15 NetWeaver
-COP 15 - site do Governo Federal

 
  Ilustração  
   

Tecla SAP de Copenhague

sexta-feira, 11 dezembro, 2009 20:52

Antonio Carlos Porto Araujo

Cento e noventa e dois países discutem a questão climática e os reflexos para a alimentação, fornecimento de água e energia em um mundo cada vez mais habitado, e com recursos naturais se exaurindo.

Nessa floresta de diversidades econômicas, culturais e sociais, evidentemente que as opiniões divergem, esbarrando em pontualidades econômicas e especificidades geográficas regionais.

De fato concreto, há conclusões sobre necessidades de adaptação à nova condição climática e eficiência no sistema de monitoramento e diminuição de emissões de gases que aumentam o efeito estufa – com o consequente aquecimento do planeta.

Isso significa que, para ambas as conclusões, haverá imprescindivelmente alocação de intensivos recursos financeiros nas mais diversas áreas de infraestrutura, saúde, alimentação, energia, etc.

Dessa forma, o desenvolvimento de pesquisas em tecnologia e a inevitável transferência para os países emergentes fazem parte da mais ampla discussão e entrave para definição dos acordos.

O Brasil aponta com sugestão para criação de algum tipo de fundo internacional com recursos predominantemente de países desenvolvidos para financiamento em projetos de adaptação e mitigação. Além dessa construção de um fundo, há expectativa para criação de modelos de licenciamento compulsório de patentes em caso de urgências decorrentes de alterações climáticas.

Tratam-se de questões muito delicadas para os países ricos, uma vez que após a grave crise financeira mundial, propostas para aumento de desembolso financeiro causam ojeriza naqueles que terão o poder/dever de aprovar tal proposta.

Mesmo assim, toda a questão climática e seus impactos no meio ambiente requerem novas propostas de desenvolvimento sustentável, e esse novo modelo exige medidas eficientes de disponibilização de investimentos públicos e privados, aptos a evitarem as catástrofes inevitáveis na ausência dessas medidas.
Meio ambiente é desenvolvimento, e esse desenvolvimento exigirá dinheiro. Uma das discussões em Copenhagen é quem pagará esta conta.

Antonio Carlos Porto Araujo, consultor de energia renovável e sustentabilidade da Trevisan. [email protected]


Material jornalístico passível de direitos autorais.
Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes.
Antes de reproduzir por qualquer meio, consulte sobre autorização
Leia também nossos Termos de Uso e Serviço
Preços, prazos e links podem sofrer alteração e correpondem ao dia em que o material foi publicado

outros destaques:

DNAtos

Caldo Quântico

Brasil no Google Maps