CaldoQuantico   Holopraxis   CQL   CreSentes   DNAtos   PARCEIROS   EXPEDIENTE   ANUNCIE   PRIVACIDADE E USOS  
 
CAPA | GERAL | CADERNO 1 | CADERNO 2 | CADERNO 3 | CADERNO 4 | BLOGS | LINKS ÚTEIS
Instituto Eu Quero Viver
 
 
 

Leia mais em:
-COP 15
-Campanha Global de Ações pelo Clima
-Meio Ambiente
-
COP 15 NetWeaver
-COP 15 - site do Governo Federal

 
  ARQUIVO  
     

Empresas brasileiras firmam parceria internacional durante a COP-15

segunda-feira, 14 dezembro, 2009 17:19

COPENHAGUE - As empresas brasileiras Braskem e Cetrel, respectivamente maior petroquímica e maior provedora de soluções ambientais para o setor industrial na América Latina, anunciaram nesta segunda (14) parcerias para a produção de energia limpa e o início de pesquisas para desenvolvimento de polipropileno (PP), ambos a partir da cana-de-açúcar.

O anúncio foi feito há algumas horas durante o seminário paralelo ao COP-15, em Copenhague, “O Futuro dos biocombustíveis e das políticas da mudança climática”, com a presença dos presidentes da Braskem, Bernardo Gradim, e da Cetrel, Ney Silva; além do deputado federal Roberto Coelho Rocha, presidente da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável - CMADS.

As empresas irão partilhar conhecimentos técnicos e científicos com a dinamarquesa Novozymes, maior fabricante de enzimas industriais do globo. No caso da Cetrel, especialista em reaproveitamento de resíduos industriais, a intenção é usar a biotecnologia da companhia nórdica para produzir biogás, que, por sua vez, deverá gerar energia elétrica para indústrias.

Na parceria com a Braskem a ideia é desenvolver uma alternativa verde para produzir polipropileno, plástico utilizado em uma ampla gama de produtos de uso diário, desde recipientes para alimentos, canudos para bebidas e garrafas até componentes de máquinas de lavar e geladeira, mobiliário e para-choques de carros. Os primeiros resultados devem sair em, no mínimo, cinco anos, disse o presidente da Novozymes, Steen Riisgaard. O polipropileno é a segunda resina termoplástica mais utilizada, com um consumo global de 44 milhões de toneladas em 2008. O mercado é estimado em US$ 66 bilhões, com um crescimento anual de 4%.

Fabio Riesemberg
Enfoque Comunicação & Eventos


Material jornalístico passível de direitos autorais.
Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes.
Antes de reproduzir por qualquer meio, consulte sobre autorização
Leia também nossos Termos de Uso e Serviço
Preços, prazos e links podem sofrer alteração e correpondem ao dia em que o material foi publicado

outros destaques:

DNAtos

Caldo Quântico

Brasil no Google Maps