CaldoQuantico   Holopraxis   CQL   CreSentes   DNAtos   PARCEIROS   EXPEDIENTE   ANUNCIE   PRIVACIDADE E USOS  
 
CAPA | GERAL | CADERNO 1 | CADERNO 2 | CADERNO 3 | CADERNO 4 | BLOGS | LINKS ÚTEIS
Instituto Eu Quero Viver
 
 
 

Leia mais em:
-COP 15
-Campanha Global de Ações pelo Clima
-Meio Ambiente
-
COP 15 NetWeaver
-COP 15 - site do Governo Federal

 

Minc defende repasse de recursos de fundo ambiental para países pobres

terça-feira, 15 dezembro, 2009 19:10

Ronie Lima

Em entrevista coletiva à imprensa brasileira e estrangeira, dada nesta terça-feira (15/12) na COP-15, em Copenhague, na Dinamarca, o ministro do Meio Ambiente, Carlos Minc, defendeu que eventuais recursos de fundo ambiental mundial para projetos de adaptação aos efeitos da mudança do clima sejam direcionados para os países mais pobres, como os africanos e as pequenas ilhas. No entanto, segundo Minc, países emergentes, como Brasil, China e Índia, devem receber recursos para ações de mitigação de suas emissões de gases que provocam o efeito estufa.

Minc disse que o Brasil não aceita "a cunha" que estão tentando criar na COP-15 entre os países emergentes e os mais pobres. Ele defendeu "uma ecossolidariedade" em relação aos mais pobres, afirmando que o país já vem fazendo sua parte. Minc lembrou, por exemplo, que 20% dos recursos captados pelo Fundo Amazônia serão destinados a projetos de conservação da Floresta Amazônica existente em países da América Latina.

Além disso, o governo federal tem dado apoio a países mais pobres, como o uso gratuito de satélite do Inpe para monitorar o estado de savanas africanas e da Floresta Amazônica além da fronteira brasileira. Minc lembrou que sem esse tipo de monitoramento, esses países não poderão se candidatar a receber recursos do Redd para a manutenção da floresta em pé.

Em relação ao cumprimento das metas de redução de CO2 apresentadas pelo Brasil, para 2020, entre 36,1% e 39%, o ministro do Meio Ambiente disse estar otimista. Ele avalia que inclusive o país poderá chegar em 2020 com 90% de queda do desmatamento na Amazônia, e não os 80% previstos no plano de metas, já que em 2009 baixou a área de desmatamento para 7.000 km2, número previsto para ser atingido apenas em 2014.

"Acho que o Brasil pode ir além da meta proposta", disse. Em função desse bom desempenho, o ministro disse esperar novas doações para o Fundo Amazônia, que reforçarão as ações de combate ao desmamento na região.

E para reforçar o seu otimismo em relação a ações do governo para atingir as metas de redução de suas emissões de gases-estufa, Minc lembrou que o Fundo Nacional de Mudança do Clima, recentemente sancionado pelo presidente Lula, irá destinar cerca de R$ 1 bilhão por ano, originário do lucro da atividade petrolífera, para ações de combate ao aquecimento global.

Ascom MMA


Material jornalístico passível de direitos autorais.
Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes.
Antes de reproduzir por qualquer meio, consulte sobre autorização
Leia também nossos Termos de Uso e Serviço
Preços, prazos e links podem sofrer alteração e correpondem ao dia em que o material foi publicado

outros destaques:

DNAtos

Caldo Quântico

Brasil no Google Maps