CaldoQuantico   Holopraxis   CQL   CreSentes   DNAtos   PARCEIROS   EXPEDIENTE   ANUNCIE   PRIVACIDADE E USOS  
 
CAPA | GERAL | CADERNO 1 | CADERNO 2 | CADERNO 3 | CADERNO 4 | BLOGS | LINKS ÚTEIS
Instituto Eu Quero Viver
 
 
 

Leia mais em:
-COP 15
-Campanha Global de Ações pelo Clima
-Meio Ambiente
-
COP 15 NetWeaver
-COP 15 - site do Governo Federal

 

Secretário de Meio Ambiente de MG defende em Copenhague uso sustentável do solo

terça-feira, 15 dezembro, 2009 19:36

O secretário de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, José Carlos Carvalho, defendeu esta semana na Brazilian Climate Alliance, reunião realizada em um dos eventos paralelos da Cúpula sobre Mudanças Climáticas das Nações Unidas (COP-15), a cooperação entre os setores econômicos brasileiros para uma produção agropecuária em bases sustentáveis.

Segundo o secretário é desnecessário realizar grandes desmatamentos para ampliar a fronteira agrícola brasileira, em face do grande estoque de terra subutilizadas ou abandonadas no processo de produção agropecuária. O desmatamento e uso do solo, de acordo com dados do Inventário de Emissões de Gases do Efeito Estufa de Minas Gerais, são responsáveis pela maior parte de emissão desses gases na atmosfera.

Carvalho destacou a importância da cooperação, integração e transversalidade de políticas públicas, cuja formulação deve incorporar a sociedade civil e as lideranças empresariais. “É importante também buscar eliminar o contencioso envolvendo ruralistas e ambientalistas, porque há mais pontos de convergência do que de divergência e que estamos dando mais atenção as nossas divergências”, afirmou.

O secretário falou também sobre os recursos do país para enfrentar situações de emergência, como o aquecimento global. “O Brasil é o pais com melhores oportunidades para enfrentar os problemas do aquecimento global, em razão da disponibilidade de terra, recursos naturais e matriz energética baseada em recursos renováveis. A nossa inserção na economia global esta se dando em uma época de grandes transformações rumo à sustentabilidade e este é outro ponto positivo para o nosso país”, disse.

O secretário criticou duramente o fato de que o valor gasto para salvar o sistema financeiro na crise mundial ocorrida no ano passado ter sido extremamente superior aos valores propostos até o momento para o combate às mudanças climáticas. “Os mesmos chefes de Estado e de Governo que estão chegando em Copenhagen acabaram de torrar literalmente mais de 3 trilhões de dólares para salvar o sistema financeiro internacional, mas agora estão oferecendo migalhas para mitigar os efeitos do clima”, relatou. “Até os mais empenhados em resolver o problema têm uma visão equivocada do que realmente esta acontecendo, porque não é o planeta que esta em perigo, ele vai continuar com outra forma, como já ocorreu em outras crises climáticas desde a mais remota antiguidade. Quem está em perigo é a vida tal como ela se manifesta e como nós a conhecemos”, avaliou.

O Brazilian Climate Alliance foi patrocinado pela Associação Brasileira de Papel e Celulose (Bracelpa), União das Indústrias de Açúcar e Álcool (Unica) e pela Associação Brasileira do Agronegócio (Abag). O encontro, um dos mais concorridos realizados no espaço brasileiro na COP-15, contou ainda com pronunciamentos do ministro de Meio Ambiente do Brasil, Carlos Minc, da senadora Marina da Silva e do governador de São Paulo, José Serra.

Agência Minas


Material jornalístico passível de direitos autorais.
Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes.
Antes de reproduzir por qualquer meio, consulte sobre autorização
Leia também nossos Termos de Uso e Serviço
Preços, prazos e links podem sofrer alteração e correpondem ao dia em que o material foi publicado

outros destaques:

DNAtos

Caldo Quântico

Brasil no Google Maps