Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Ambiente | Energia | Lixo | Água | Mariana

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
domingo, 1 março, 2015 - 11h59

Cantareira segue subindo, mas economia é fundamental

   
Diogo Moreira | Imprensa Governo SP
Sistema Alto Tietê abastece parte da zona leste de São Paulo, as cidades de Suzano, Mogi das Cruzes, Ferraz de Vasconcelos, Poá, Itaquaquecetuba e Arujá e parte de Guarulhos

No primeiro dia de março o nível de água do Sistema Cantareira apresentou nova elevação em 0,2% somando 11,6%, mas que representa apenas a recuperação do segundo volume morto (reserva técnica) de 10,5% e abrindo a recuperação da primeira cota que corresponde a 18,5%.

Tecnicamente o Cantareira precisaria crescer mais 36% para alcançar a razoabilidade mínima da reserva útil, aquela que pode ser utilizada sem necessidade de bombeamento.

Esse movimento de recuperação foi conseguido com uma série de ações como a redução da pressão por parte da Sabesp e pela grande economia que a população promoveu, mas ainda há muita coisa para ser feita.

As chuvas previstas para março podem não ser tão generosas como as de fevereiro e o outono e o inverno são estações naturalmente mais secas o que pode comprometer ainda mais a situação dos reservatórios.

Obras estão sendo feitas, mas seus efeitos serão sentidos a médio e longo prazo. Uma obra que vai aumentar a entrada de água no Sistema Alto Tietê teve início no meio de fevereiro para captar água do rio Guaió, que fica em Suzano, e transferi-la até a represa Taiaçupeba, parte do sistema Produtor Alto Tietê. O trabalho feito com mão-de-obra própria da Sabesp deve estar pronto em maio.

Os efeitos benéficos da chuva no Cantareira são muito inconsistentes e a propaganda da subida dos reservatórios não pode iludir o entendimento que a economia deve ser prioritária e constante.

Só captar água de chuva não resolve o problema

São Paulo tem um índice elevado de impermeabilização do solo e ocupação desordenada de mananciais razão pela qual é necessária uma revisão de comportamento de todos. Muitos vídeos na internet, muitas reportagens ensinam métodos de reúso e captação de água, mas com solo impermeável, a água dos lençóis freáticos não se recarrega.

Nos últimos dias, a chuva que caiu sobre a cidade provocou enchentes e essa água toda se perdeu pelos cursos dos rios tão logo a chuva cessou. Água que escorreu pelo asfalto trouxe prejuízos materiais e não se infiltrou. Aconteceu em Poá, Suzano e Itaquaquecetuba. Aconteceu em várias regiões da capital. Essa água poderia ter sido armazenada, mas se perdeu.

Você pode acompanhar os índices pelo perfil Rios e Ruas no Facebook, explicações e gráficos no site Além do Laboratório, no próprio site da Sabesp (ataulização diária dos índices) e no site Apolo 11.

da Redação

Saiba mais no Caderno Água

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest