Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Ambiente | Energia | Lixo | Água | Mariana

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
segunda-feira, 9 março, 2015 - 10h19

Guarapiranga já é o maior produtor de água em São Paulo

   
A2 Fotografia / Diogo Moreira
Os 410 mil habitantes da cidade de Diadema, na região metropolitana de São Paulo, passam a contar com conjunto de melhorias no sistema de abastecimento de água

Com a redução da vazão em 56%, adesão recorde de usuários economizando (81%) e regime de chuvas contribuiram para que o Cantareira chegasse a 12,9% da capacidade de armazenamento.

O nível do Sistema Cantareira, que já havia subido no fim de semana para 12,3%, chegou hoje (9) a 12,9%, de acordo com dados da Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp). Na semana passada o sistema permaneceu estável em 11,7%.

O reservatório abastece cerca de 6 milhões de pessoas na Grande São Paulo. Entre domingo e segunda-feira, choveu 31 milímetros (mm) nas represas que formam o sistema. A média pluviométrica para março é 178 mm.

Captação do Guarapiranga

A Sabesp informou hoje (9) que o sistema Guarapiranga ultrapassou o Cantareira tornando-se o principal produtor de água. O reservatório produziu 14,49 metros cúbicos por segundo contra 14,03 metros cúbicos por segundo do Cantareira.

Com a perspectiva do fim do período chuvoso a situação ainda é crítica e economizar de todas as formas ainda é a melhor das alternativas de curto prazo. Jerson Kelman, presidente da Sabesp, reitera que o rodízio ainda não será implantado, mas não descartado. As represas só terão recuperado a primeira cota do volume morto quando alcançarem 29,2% da capacidade.

Conjunto de obras irá otimizar abastecimento de água em Diadema

Os 410 mil habitantes da cidade de Diadema, na região metropolitana de São Paulo, passam a contar com uma nova adutora de grande porte, um novo reservatório e uma nova estação elevatória de água, além de novas redes de distribuição, que irão otimizar o abastecimento de água no município.

O conjunto de obras, no qual foram investidos R$ 15 milhões, foi entregue neste sábado, 7, pelo governador Geraldo Alckmin. ”Diadema recebe, hoje, mais um reservatório de 5 milhões de litros feito em tempo recorde e, com isso, passamos a ter 100% da cidade abastecida por reservatório de gravidade. Isso traz benefícios como a maior reservação e a redução da perda física de água, devido à distribuição por gravidade. É uma grande conquista para Diadema e, daqui, é feita a distribuição para toda região”, explicou Alckmin.

Os bairros mais populosos, Eldorado e Inamar, passam a contar com o Reservatório Inamar, que dobra a capacidade de reservação de água para a região, passando de 5 para 10 milhões de litros.

Além da conclusão das obras, foram realizados diversos estudos de engenharia e execução de 4.000 metros de redes de distribuição. Essas alterações também promovem a redução das pressões nas redes e, consequentemente, das perdas de água.

Contribuição para o Sistema Cantareira

A nova adutora Nações – Real auxiliará no avanço do Sistema Rio Grande para parte da Zona Sul da Capital (atualmente abastecida pelo Guarapiranga). A tubulação será interligada a outra adutora, ligando o Reservatório Real, em Diadema, ao Pedreira, em Americanópolis (Zona Sul). Com isso, o sistema Guarapiranga terá maior disponibilidade de água para avançar sobre as áreas atendidas pelo Cantareira. Serão transferidos 500l/s, quantia suficiente para abastecer cerca de 250 mil pessoas. As obras desse trecho devem ser entregues até abril.

A situação dos outros reservatórios

Os outros reservatórios da região metropolitana de São Paulo também registraram elevação nesta segunda. No Guarapiranga, o nível passou de 67,7% para 69,3%, com as chuvas chegando a 1,2 mm. No Alto Cotia, as chuvas, que somaram 2,4 mm, contribuíram para que a capacidade do sistema passasse de 44,8% para 50,3%. O nível de armazenamento alcançou 19,7% no Alto Tietê, um enquanto no dia anterior estava em 19,1%.

No Rio Grande, o volume armazenado passou de 87,7% para 89,8%, devido aos 4,8 mm de chuva registrados ontem para hoje no reservatório. No Rio Claro, o nível que estava ontem em 38,9%, chegou a 39,3% da capacidade depois dos 38,6 mm de chuva.

Você pode acompanhar os índices e outras informações úteis pelo perfil Rios e Ruas no Facebook, explicações e gráficos no site Além do Laboratório, no próprio site da Sabesp e no site Apolo 11. (NR)

da redação

Saiba mais no Caderno Água

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest