Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Ambiente | Energia | Lixo | Água | Mariana

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
quarta-feira, 2 setembro, 2015 - 22h41

Sensação de abundância gera má gestão das águas no país, diz OCDE

A sensação de que o Brasil é abençoado com abundância de água faz com que se despreze a importância de uma estratégia de longo prazo para a gestão dos recursos hídricos

   

A conclusão é do relatório Governança dos Recursos Hídricos no Brasil, divulgado hoje (2) pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), produzido em parceria com a Agência Nacional de Águas (ANA).

O estudo analisa a governança e a alocação de águas no país e sugere caminhos a seguir, com base nas estruturas e instrumentos de política que já existem. Segundo o texto, os diversos planos de recursos hídricos a níveis nacional, estadual, local e de bacia hidrográfica são “mal coordenados e não chegam a ser colocados em prática, por falta de dinheiro ou capacidade limitada de acompanhamento e execução”.

A OCDE critica o isolamento de órgãos públicos, o que, segundo o relatório, dificulta a coerência política entre os setores de recursos hídricos, agricultura, energia, licenciamento ambiental, saneamento e uso do solo.

Marcos Santos / USP Imagens
Gestão da água deve ser vista como prioridade estratégica, com benefícios econômicos, sociais e ambientais | Marcos Santos / USP Imagens
Gestão da água deve ser vista como prioridade estratégica, com benefícios econômicos, sociais e ambientais

O documento também faz uma crítica à capacidade de implantar as decisões tomadas pelos comitês de bacias hidrográficas. “Em muitos casos, eles essencialmente desempenham um papel de defensores, enquanto que na maioria dos países da OCDE o seu papel é construir um consenso sobre as prioridades e o planejamento para orientar a tomada de decisões”, diz o relatório.

Segundo a entidade, a governança de diferentes níveis é particularmente “crítica” no Brasil, porque a gestão dos recursos hídricos está sob responsabilidade dos 26 estados e do Distrito Federal, com base em mais de 200 comitês de bacias hidrográficas. Para a OCDE, a gestão descentralizada é uma resposta adequada às diferenças regionais do país, mas é preciso que as decisões nos níveis administrativos sejam compatíveis e efetivas.

Sugestões

Para a OCDE, o Brasil não pode mais fazer uma gestão de crises hídricas, mas, sim, gestão de “riscos”, tendo em vista as previsões de crescimento populacional e econômico, e as mudanças climáticas.

“Essa crise [hídrica] pela qual o país passa propicia que a sociedade coloque a gestão da água de uma forma estrategicamente ampla, em debates de mais alto nível. Vários países do mundo têm passado por essas mudanças e o Brasil pode dar esse passo para aperfeiçoar mecanismos de gestão”, disse o representante da OCDE, Luiz de Mello

Segundo o estudo, a gestão da água deve ser vista como prioridade estratégica, com benefícios econômicos, sociais e ambientais “mais amplos” para a política nacional. A entidade sugere fortalecer o poder dos conselhos nacional e estaduais de recursos hídricos, e reforçar a coordenação entre diferentes setores do governo para maior coerência e consistência política, além de melhorar a capacidade financeira e de pessoal das instituições de nível estadual.

O documento recomenda o incentivo à adoção de mecanismos de preços, incluindo cobranças pelo uso da água. Essa cobrança deve ser apresentada às empresas que retiram água dos reservatórios e rios, e não diretamente ao consumidor.

Para o presidente da ANA, Vicente Andreu, o relatório é um documento estratégico. “Assim que recebemos o relatório final, deliberamos para que não seja apenas um documento, mas um instrumento fundamental para organizar a atuação da ANA e de seus parceiros instituais”, afirmou.

O relatório completo está disponível aqui.

Reproduzido da Agência Brasil

Saiba mais no Caderno Água

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest