Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Ambiente | Energia | Lixo | Água | Mariana

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
sábado, 3 outubro, 2015 - 19h53

Especialista da ONU defende acesso universal à água

Para Leo Heller, esse direito humano ainda não é garantido em muitos países, inclusive o Brasil

   

O combate à desigualdade no acesso à água encanada e ao saneamento é o ponto prioritário a ser gerenciado pelos países que se preocupam com os direitos humanos.

A questão foi destacada na abertura da etapa final do Seminário Legislativo Águas de Minas III: Desafios da Crise Hídrica e a Construção da Sustentabilidade, realizado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) na noite desta terça-feira (29/9/15).

O seminário prossegue até sexta-feira (2/10), quando ocorre a plenária final, na qual serão votadas propostas de políticas públicas volotadas para a questão hídrica.

Guilherrme Bergamini/ALMG
As atividades do seminário tiveram início em 30/6, com os encontros realizados em nove cidades localizadas nas principais bacias hidrográficas do Estado - Foto: Guilherrme Bergamini/ALMG
As atividades do seminário tiveram início em 30/6, com os encontros realizados em nove cidades localizadas nas principais bacias hidrográficas do Estado

Na palestra magna, o relator especial do direito humano à água e ao esgotamento sanitário da Organização a Nações Unidas (ONU), Leo Heller, destacou que, embora o tema não seja novo, esse direito ainda não foi incorporado por todos os países que integram a ONU, inclusive o Brasil. Segundo ele, a despeito de ter apoiado o projeto de resolução das Nações Unidas sobre o tema em 2010, o Brasil ainda não o incorporou na prática.

Sarah Torres/ALMG
Leo Heller informou que a disponibilidade e a gestão sustentável de abastecimento de água e esgoto sanitário constam nas perspectivas globais da ONU - Foto: Sarah Torres/ALMG
Leo Heller informou que a disponibilidade e a gestão sustentável de abastecimento de água e esgoto sanitário constam nas perspectivas globais da ONU

O especialista alertou para as duas faces desse direito: de um lado, obrigações e atribuições dos países, seus prestadores de serviço e agentes reguladores; do outro, a prerrogativa da sociedade civil de recorrer quando sofre violações em seu direito humano à água e ao esgotamento sanitário.

De acordo com ele, esses recursos devem ser assegurados a todos, e cabe ao poder público garanti-los, priorizando o uso pessoal e doméstico, em quantidade e qualidade suficiente, além de acessíveis cultural, física e economicamente.

“Pensar nesses direitos é lembrar a necessidade de respeitar os princípios da igualdade e não-discriminação, da participação e inclusão, da responsabilidade e prestação de contas. Os governos têm de ser transparentes em seus planejamentos e na execução de ações, mostrando comprometimento em universalizar a disponibilidade de água e saneamento”, avaliou.

Leo Heller ainda salientou que a disponibilidade e a gestão sustentável de abastecimento de água e esgoto sanitário, de forma acessível para todos e sem discriminação, constam nas perspectivas globais da ONU. Esse documento prevê metas a serem cumpridas pelos países membros nos próximos 15 anos. O especialista alertou, ainda, que as médias de fornecimento de água e saneamento apontadas pelos países mascaram a realidade.

Gestores abordam atual realidade e perspectivas futuras

Lembrando as condições climáticas severas dos últimos quatro anos, Gisela Forattini, diretora da Agência Nacional de Águas (ANA), acentuou que apenas 10% dos rios são de domínio federal e cabe também aos Estados gerir os recursos, de forma articulada com a União. Abordando a importância dos planos de contingência, ela enfocou a necessidade de melhorar a integração na gestão das águas e estabelecer metas progressivas, “de forma que os Estados e órgãos envolvidos deixem ser reativos à seca e passem a ser proativos”, ponderou.

Especialistas defendem melhor gestão da água

Segundo a gestora, a oferta de água dos reservatórios permanece baixa e as perspectivas futuras continuam a ser de atenção. Por fim, ela elogiou as ações iniciadas em Minas Gerais, avaliando que o Estado saiu na frente na busca de soluções para a escassez de água.

O vice-prefeito de Belo Horizonte, Délio Malheiros, lembrou que o problema da escassez é mundial e exige uma gestão eficiente dos recursos hídricos. Segundo ele, já houve uma redução em 30% no consumo de água nos órgãos da Prefeitura de Belo Horizonte.

O presidente da Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Ceará (Cogerh), João Lúcio Faria de Oliveira, exibiu um vídeo sobre o trabalho da empresa e abordou o Plano Estratégico de Águas do Ceará. Segundo ele, o plano prevê estratégias de logo prazo para cada bacia hidrográfica do Ceará. Ele também destacou a redução nas reservas de água do Estado, além de apontar as principais ações emergenciais previstas para gerir a segurança hídrica da região.

Para Anivaldo de Miranda Pinto, presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, a crise ambiental é planetária, e a falta de água decorre desse problema. Ele alertou, ainda, que sem uma gestão eficaz dos recursos, a crise hídrica tende a se aprofundar. Por fim, destacou a necessidade de um pacto que envolva todos os Estados da bacia do São Francisco e a União, para trabalhar pela sustentabilidade do rio.

Hideraldo Buch, do Fórum Mineiro de Comitês de Bacias Hidrográficas, lembrou que essas entidades já alertavam para a escassez de água há tempos. De acordo com ele, o seminário vai apontar propostas concretas para amenizar a crise hídrica, e cabe à ALMG se empenhar para que as proposições aprovadas sejam cumpridas na prática.

Deputados manifestam preocupação com a crise hídrica

Sarah Torres/ALMG
Parlamentares falaram sobre a necessidade de se fazer uma boa administração dos recursos hídricos - Foto: Sarah Torres/ALMG
Parlamentares falaram sobre a necessidade de se fazer uma boa administração dos recursos hídricos

O presidente da Comissão Extraordinária das Águas, deputado Iran Barbosa (PMDB), alertou para a importância de o seminário resultar em propostas que culminem num marco regulatório para a gestão dos recursos hídricos em Minas Gerais. “Vamos consolidar um marco para que o Estado mantenha o seu estoque hídrico e a qualidade da água. A crise não é de falta de água, mas de gestão. Todos somos responsáveis não apenas pela boa administração dos recursos, mas também por trazer ideias que integrem a meta de perpetuar o bom uso da água”, ponderou.

Para o deputado Doutor Jean Freire (PT), a questão primordial é oferecer água de qualidade, priorizando o consumo humano em detrimento de outros usos, como o que beneficia mineradoras e produtores de eucalipto. O parlamentar destacou a sua preocupação com as comunidades mais carentes, lembrando que a segunda maior causa de morte de crianças no mundo é a diarreia, geralmente decorrente da má qualidade da água ingerida.

Já o deputado Gil Pereira (PP) destacou sua preocupação com a falta de investimentos, lembrando barragens não concluídas ou com a implementação atrasada por falta de recursos. Ele enfatizou a necessidade de mais verba destinada a novas usinas de energia solar. Segundo o parlamentar, essa fonte alternativa de energia poderia gerar uma economia de R$ 150 bilhões em cinco anos, além de poupar as águas devido à redução de uso nas usinas hidrelétricas.

Imprensa ALMG

Leia nesta série

Um Plano Estadual de Segurança Hídrica

Águas de Minas também debateu mineração

Perda de água no abastecimento é de 37%

Grupos discutem uso racional da água

Crise hídrica exige ação de longo prazo

Especialista da ONU defende acesso universal à água

Saiba mais no Caderno Água

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest