Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Ambiente | Energia | Lixo | Água | Mariana

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
sábado, 3 outubro, 2015 - 19h53

Perda de água no abastecimento é de 37%

Informação foi apresentada durante o terceiro dia de debates do Seminário Legislativo Águas de Minas

   

Atualmente o Brasil registra um índice de 37% de perda da água em seu serviços de abastecimento.

Também 37% dos domicílios brasileiros deixam de ser atendidos pelo fornecimento de água pelo menos uma vez ao mês.

Esses números foram apresentados, nesta quinta-feira (1º/10/15), pelo diretor do Departamento de Articulação Institucional da Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental do Ministério das Cidades, Ernani Ciríaco de Miranda, durante o terceiro dia de debates do Seminário Legislativo Águas de Minas III – Desafios da Crise Hídrica e a Construção da Sustentabilidade.

Os debates acontecem no Plenário da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e encerram-se nesta sexta-feira (2/10).

Ricardo Barbosa/ALMG
Os debates do Seminário Legislativo Águas de Minas III desta quinta (1°/10) foram realizados no Plenário - Foto: Ricardo Barbosa/ALMG
Os debates do Seminário Legislativo Águas de Minas III desta quinta (1°/10) foram realizados no Plenário

Ernani Miranda abriu as palestras do painel "Saneamento e saúde". Ele informou que, em 2013, 95% dos domicílios brasileiros tinham acesso à água, considerando acesso à rede e oferecimento de condições individuais adequadas. Em Minas Gerais, esse índice é de 98%, com a quase universalização no serviço.

No entanto, o representante do Ministério das Cidades afirmou que, em relação ao acesso ao esgoto, os índices são inferiores. No Brasil, esse dado é de 76%, mas quando se considera o tratamento de esgoto, esse número é ainda menor. Segundo Ernani Miranda, o índice de esgoto coletado e tratado é de 56% no País e a meta é chegar a 69% em 2018.

Além de vencer as perdas elevadas de água no sistema de abastecimento, Ernani Miranda defendeu a necessidade de manter fontes de recursos específicos, dobrando o atual patamar de investimentos, de modo a garantir de R$ 18 bilhões a R$ 20 bilhões ao ano para alcançar as metas do Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab). Outro desafio é a elaboração de planos municipais e estaduais de saneamento básico. De acordo com ele, apenas 20% dos municípios têm esses planos, que auxiliam no planejamento e oferecimento do serviço.

Já o diretor da Agência Reguladora do Serviço de Abastecimento de Água e Esgoto Sanitário do Estado (Arsae-MG), Hubert Brant Moraes, disse que o ano de 2007 foi um divisor de águas no setor de saneamento, já que a Lei Federal 11.445 passou a estabelecer uma política federal com diretrizes para prestação do serviço. Ele explicou que antes desse marco regulatório, os prestadores definiam tarifas, prazos, metas e regras. "O novo arcabouço legal definiu os novos paradigmas para o setor", reforçou. Ele disse que o objetivo das agências é facilitar o acesso da sociedade à prestação do serviço.

O idealizador do Projeto Manuelzão e professor da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Apolo Heringer Lisboa, alertou que o espelho d´água mostra a cara da sociedade, já que a bacia hidrográfica recebe tudo o que está em volta, como erosão e resíduos. Ele criticou a canalização de córregos e defendeu a criação de parques ciliares ao longo da rede hidrográfica, com vegetação nativa.

Apolo também fez pontuações e questionamentos relativos aos lobbies do saneamento e o motivo pelo qual o Ministério da Saúde tem esse nome se saúde não é basicamente uma questão médica, na sua avaliação. Ele ainda questionou o motivo pelo qual as empresas de saneamento podem lançar esgotos nos rios sem tratamento adequado, sem serem multadas. “O saneamento não é apenas água, mas é solo, o ar e os alimentos”, disse.

Atividade minerária gera controvérsia

Ricardo Barbosa/ALMG
Os trabalhos da manhã foram coordenados pelos deputados Antônio Carlos Arantes e Iran Barbosa | Foto: Ricardo Barbosa/ALMG
Os trabalhos da manhã foram coordenados pelos deputados Antônio Carlos Arantes e Iran Barbosa

No segundo painel da manhã - "Atividade Minerária, Indústria e Energia" -, a atividade minerária foi criticada pelas representantes de movimento pela preservação das serras e águas e pela antropóloga e professora da UFMG Andréa Zhouri Laschefski. Do outro lado, o representante da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg) defendeu a atividade industrial e mineral.

A representante do Movimento pela Preservação da Serra do Gandarela e do Movimento pelas Serras e Águas de Minas, Maria Teresa Viana Freitas Corujo (Teca), alertou que a água é um bem e não apenas um recurso ou insumo. Ela citou alguns exemplos de atividade minerária com grandes impactos ambientais em cidades como Paracatu, Congonhas, Itabira, Santa Bárbara, Raposos e Rio Acima. De acordo com ela, a população de alguns desses municípios está sofrendo com a falta de água. Ao final de sua fala, ressaltou que Minas Gerais não é só mineração, mas um território de muitas opções e possibilidades.

A coordenadora do Grupo de Estudos em Temáticas Ambientais (Gesta-UFMG), Andréa Zhouri Laschefski, também criticou a atividade minerária e disse que hoje existem mais de 500 conflitos ocasionados pelas atividades de mineração, produção energética e agronegócio. Ela também alertou sobre o uso da água em minerodutos, em detrimento do abastecimento da população. “Isso é colonial, perverso e desigual”, disse. “Não existe escassez hídrica, ela foi historicamente construída”, completou.

Contraponto - Já o gerente de Meio Ambiente do Sistema Fiemg e vice-presidente do Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco, Wagner Soares Costa, defendeu a produção industrial e apresentou dados informando que a atividade de mineração ocupa menos de 2% do território do Estado e que as mineradoras reutilizam 80% de sua água. Ele informou ainda que existem três minerodutos operando em Minas Gerais e apenas 8% do volume de ferro produzido no Estado é transportado por essa via. E disse que 30% do total transportado pelos minerodutos são de água e, “mesmo assim, que já circulou por todo o sistema de produção”.

Para Wagner Costa, um dos maiores desafios do setor é a inovação para aumento da exploração a seco. Ele esclareceu que as obrigações das mineradoras incluem recompor a área minerada após o encerramento das atividades e recompor, no mínimo quatro vezes, a área de vegetação suprimida. Durante sua fala, ele defendeu a produção e o consumo sustentável e que o setor produtivo não foge às suas responsabilidades. Disse ainda que se o consumidor mudar o hábito, o setor produtivo fará as adequações necessárias.

Palestrantes defendem agricultura sustentável

O último painel, que tratou de "Agricultura, pecuária e piscicultura", foi iniciado pelo presidente da Emater-MG, Amarildo José Brumano Kalil. De acordo com ele, 31% do território mineiro é ocupado por pastagens, enquanto 14% é utilizado pela agricultura. Na visão dele, essas atividades rurais podem ser vilãs ou heroínas ambientais, a depender da forma como são praticadas. Ele lembrou, por exemplo, que são atividades que possibilitam que quase 50% do volume de água das chuvas infiltrem e voltem, assim, aos lençóis freáticos e cursos dos rios. Por outro lado, é preciso cultivar de acordo com técnicas que dificultem o escoamento superficial de parte da água, que pode gerar erosões do solo.

Entre as medidas citadas por ele para garantir a preservação ambiental, estão o ordenamento do uso e ocupação do solo de acordo com sua capacidade de suporte e o controle dos focos de poluição, como os causados por agrotóxicos. Kalil afirmou que é preciso incentivar o uso de tecnologias agroecológicas.

O presidente da Emater-MG também falou sobre a necessidade de adoção de técnicas de uso racional da água e lembrou que já existem tecnologias para isso, que teriam reduzido muito a quantidade de água necessária em processos de irrigação. Por fim, mostrou uma ferramenta recém-criada que permite o cruzamento de informações sobre uso do solo com uso da água, outorgas, vazões e outras informações relevantes em um mapa interativo.

O coordenador do Núcleo de Estudos de Planejamento e Uso da Terra da Universidade Federal de Viçosa (Neput-UFV), João Luiz Lani, destacou que é preciso mudar o paradigma atual, de modo a deixar de extrair tudo da natureza e evoluir para uma visão que tenha a ecologia como centro das preocupações. Ele falou, ainda, que é importante basear decisões em fundamentações científicas, e não em suposições. “Dizem que é só plantar árvores que a água aparece, mas isso não é verdade em todas as situações”, afirmou, acrescentando que a atual legislação ambiental é baseada em paradigmas falsos como esse.

Lani disse, também, que as pessoas precisam aguçar sua percepção e aprender com a natureza. “Sempre tivemos carrapichos em nossas calças, mas foi um europeu que veio aqui, viu um carrapicho em sua calça e se inspirou para criar o velcro. Porque não pensamos nisso antes?”, questionou.

Já o consultor da Federação dos Trabalhadores da Agricultura de Minas Gerais (Fetaemg), Eduardo Nascimento, fez críticas à gestão dos recursos hídricos pelo Estado. Segundo ele, enquanto um agricultor familiar tem autorização para desmatar dois hectares de mata atlântica para produzir, uma mineradora pode retirar toda a cobertura vegetal. “Enquanto considerarmos água como insumo e não como vida, é isso que vai acontecer sempre, e os estudos ambientais continuarão estudos de quinta categoria”, disse. “É o Estado brasileiro que sustenta esse sistema”, completou.

Nascimento falou, ainda, da violência no campo, que teria resultado no assassinato de mais de 1.500 agricultores nos últimos 20 anos. “A violência é parte constitutiva deste País e é preciso que o Estado tenha coragem de botar freio nisso”, afirmou. Por fim, ele falou que é preciso que o Estado garanta assistência e apoio técnico para os produtores.

Recursos - Os trabalhos da manhã foram coordenados pelos deputados Antônio Carlos Arantes (PSDB) e Iran Barbosa (PMDB). O deputado Antônio Carlos Arantes ressaltou a importância da água para o planeta e criticou a falta de recursos para conservação ambiental e o mau uso do dinheiro público. Ele disse esperar que ações como o Seminário Águas de Minas possam trazer resultados positivos. Já o deputado Iran Barbosa ressaltou a importância do Fundo de Recuperação Proteção e Desenvolvimento Sustentável das Bacias Hidrográficas do Estado (Fhidro).

Imprensa ALMG

Leia nesta série

Um Plano Estadual de Segurança Hídrica

Águas de Minas também debateu mineração

Perda de água no abastecimento é de 37%

Grupos discutem uso racional da água

Crise hídrica exige ação de longo prazo

Especialista da ONU defende acesso universal à água

Saiba mais no Caderno Água

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest