Contribua   Assine   ou Acesse nossa campanha no Apoia-se

Nossos sites

Parceiros

Expediente

Políticas do Portal

Contribua para manter o Parque Nacional Serra da Capivara | Patrimônio Mundial pela Unesco
GERAL CADERNO 1 CADERNO 2 CADERNO 3
CADERNO 4 BLOGS LINKS ÚTEIS METEOROLOGIA

| Dengue, Zika e Chikungunya no Caderno Saúde |
A sociedade mobilizada para vencer essa luta

Ecopontos, Feiras-Livres e outros serviços em Uberlândia
quinta-feira, 9 maio, 2013 11:05

Anastasia reafirma importância da revisão do pacto federativo

Agência Minas
A concentração de recursos nos cofres da União é tão alta que não consegue dar respostas às diversas demandas da população nos estados e municípios brasileiros

Revisão do pacto federativo vai beneficiar diretamente os cidadãos, afirma Anastasia. Palavra do Governador desta semana mostra como o tema que entrou na agenda política de todo o país pode melhorar a qualidade dos serviços públicos

A concentração de recursos nos cofres da União é tão alta que não consegue dar respostas às diversas demandas da população nos estados e municípios brasileiros. Com cerca de 70% de tudo o que é arrecadado de impostos, o Governo Federal centraliza competências e impede que os outros entes da Federação possam realizar mais ações em benefício do cidadão.

O Palavra do Governador desta semana destaca um tema que vem ganhando destaque na agenda política do país, sobretudo de governadores e prefeitos: a revisão do pacto federativo.

Veja a entrevista e o vídeo do Palavra do Governador

De acordo com o governador Antonio Anastasia, este é um tema muito importante e muitas pessoas não percebem a sua relevância no dia a dia dos brasileiros. “O Brasil é uma Federação, o que significa que nós temos o Governo Federal, governos estudais e governos municipais, as chamadas prefeituras. Cada um deve ter autonomia, cada um deve ter competências, as suas atribuições. E, ao longo das últimas décadas, lamentavelmente, as atribuições e os poderes dos estados e dos municípios foram extremamente diminuídos e concentrados na esfera federal pelo Executivo, Legislativo e Judiciário, no âmbito da União”, ele explica.

Para o governador mineiro, o pacto federativo pressupõe, na sua revisão, a devolução de uma maior autonomia para os estados e municípios, de tal modo que os governos estaduais e municipais, que estão mais próximos do cidadão, possam realizar mais e, para isso, ter mais recursos financeiros e atender melhor ao cidadão nas áreas das suas competências. Segundo ele, o modelo atual de Federação brasileiro é distorcido porque está muito concentrado na esfera federal. “As outras nações do mundo que são também federações – como os Estados Unidos, o Canadá, a Austrália e a Alemanha, por exemplo – prestigiam muito os seus estados e os seus municípios”, compara.

Essa questão entrou na pauta da política nacional em 2013, quando os governadores dos estados se reuniram em Brasília com os presidentes da Câmara e do Senado para discutir o assunto. Os prefeitos, além de diversas lideranças políticas regionais, também estão se mobilizando em torno da causa. Para Anastasia, a mobilização tem que ser conjunta e de toda a sociedade, já que, segundo ele, uma maior autonomia dos entes federados vai ter como resultado mais benefícios para o cidadão.

“No momento em que o cidadão de uma cidade pequena reclama - e reclama com razão - que quer melhorar a sua saúde, quer melhorar a educação e a segurança pública, ele está falando do pacto federativo. Por quê? Porque no momento em que o estado e o município tiverem mais recursos financeiros para alocar, para colocar dinheiro na melhoria dessas políticas ou desses serviços públicos, certamente o cidadão vai se beneficiar. O Governo Federal acaba ficando, no dia a dia, mais distante das necessidades das pessoas, e essa concentração não é boa para o Brasil. O Brasil é um país muito grande, que tem que ser mais descentralizado. Quanto mais perto a solução do problema estiver do próprio problema, é claro que nós seremos mais eficientes”, afirma o governador.

Um exemplo de centralização de recursos nas mãos da União, que tem prejudicado o desenvolvimento do país, são as rodovias federais. Apesar de ter mais recursos, por uma questão de gestão, a União não tem conseguido melhorar as rodovias federais que cortam Minas Gerais. A rodovia BR-381, por exemplo, que liga a capital mineira a Governador Valadares, aguarda há anos sua duplicação. Ela é hoje conhecida como ‘rodovia da morte’.

“As rodovias federais que atravessam tantos problemas pelo Brasil afora, se fossem estadualizadas - como, aliás, já foi solicitado no passado - nos permitiriam ter sobre elas um gerenciamento, um acompanhamento, uma conservação melhor”, afirma o governador.

Governo de Minas descentraliza gestão

Quando o assunto é descentralização, Minas mais uma vez se torna exemplo. O Governo do Estado lançou, em 2011, a Gestão para a Cidadania, na qual a participação dos municípios e do cidadão é fundamental para definir as prioridades da região. Além disso, por meio de convênios e parcerias, o Governo do Estado transfere recursos para os municípios para que as ações sejam desenvolvidas de maneira mais ágil, de forma a beneficiar verdadeiramente a vida do cidadão mineiro.

“Eu mesmo digo sempre que quando há uma obra é muito melhor que ela seja feita pelo município, que faz mais rápido e mais barato. O prefeito, a autoridade local, está muito mais próximo do problema e, portanto, da sua solução, pois conhece melhor aquela determinada situação. Então, todos os nossos programas são municipalizados. Eu posso aqui dar o exemplo do Programa Travessia, um grande programa social do Governo de Minas que, ao longo dos últimos anos, já beneficiou 239 municípios, com investimentos de mais de R$ 1 bilhão alocado e 3 milhões de mineiros beneficiados. O Travessia é muito positivo, exatamente porque vai especialmente nas pequenas cidades, disponibiliza o recurso para o prefeito que, por sua vez, faz a sua ação localizada na área social do seu município”, conclui Anastasia.

via Agência Minas

Leia também o que já publicamos sobre Novo Pacto Federativo

Material jornalístico de uso livre segundo as atribuições específicas de cada fonte exceto quando especificado em contrário. Fotos e textos podem pertencer a autores diferentes, sempre devidamente identificados. Créditos das fotos devem ser preservados. Nenhuma das fontes mantém qualquer vínculo comercial ou de outra ordem conosco. Em caso de dúvida, consulte. Leia também nossos Termos de Uso e Serviço | Preços, prazos, links e demais informações podem sofrer alteração e correspondem ao dia em que o material foi publicado sendo de responsabilidade da fonte original.

Documento sem título
Considere contribuir com nosso trabalho

Últimas no FarolCom

Veja também

FarolCom no Twitter

FarolCom no Pinterest